Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

JAIRO MOZART

 

Compositor, poeta, cordelista, cantor, Instrumentista nascido em João Pessoa, Paraíba e residente em Brasília, DF.   Membro da Academia Taguatinguense de Letras. (45 anos de trajetória) Começou seus estudos na Escola de Música Antenor Navarro, passando em seguida para os cursos da coordenação de Extensão Universitária na Universidade Federal da Paraíba, onde estudou música e artes plásticas. Página do autor: http://violeirosdobrasil.com/

 

MOZART, Jairo.  A Peleja de Delmiro Gouveia com o Progresso.  Brasília, DF: Mozart Produções, 2013.  74 p.  ilus  15x21,5 cm.   ISBN 978-85-912104-1-1  Concepção,e ilustrações em bico de pena de Jairo Mozart.  Col. Bibl. Antonio Miranda.

 

Alguns Causos

 

- LVII -

 

É com muito rigor com disciplina

Que Delmiro prestava atenção

Trabalhava com muita devoção

E cuidava como se fosse menina

Pois cuidar e olhar foi sua sina

Pra ver se alguém estava namorando

Quando deveria estar trabalhando

Corrigindo os erros que encontrava

Quando os achava sempre os casava

Pra manter a produção funcionando.

 

- LVII -

 

Só que apesar desse puritanismo

Delmiro em sua casa recebia

Lindas francesas que ele se servia

E vindas do Recife como abismo.

Muita festa já beirando o barbarismo

Falavam que a regra só respeitava

Para quem dentro da Fábrica estava

Porque lá o sexo era proibido

O que gerava o amor escondido

Quando o patrão por perto não ficava.

 

-LIX-

 

0 cearense tinha seus repentes

Só que posteriormente superados

Porque também gostava dos empregados

E muitas vezes os deixava contentes

Com estratégias bem inteligentes

Mas não conseguia livrar-se de boato

"Com botas de borracha era um gato"

Só pra ninguém perceber quando chegava

Assim ninguém sabia onde estava

E fazia da surpresa grande ato.

 

-LX-

 

Lauro Góes amigo e espectador

Relata que em outra ocasião

Que Delmiro em uma reunião

Com ilustres convidados foi um horror

Muito grosseiro também faltou com pudor

Ao sentir falta d'um funcionário

Para ele a falta é um calvário

Indagou quem deu autorização!

E Lionello respondeu com atenção

E contou cada conta do rosário.

 

 

-LXI-

 

"Permiti que sua mãe ele visitasse"

"Pois falou que ela estava doente".

Retruca Delmiro com voz estridente

"E se pedissem que merda degustasse?"

Bateu o telefone já sem classe

Continuando a ser anfitrião

Atendendo com animação

Mas apesar do seu temperamento

Quem o viu sabe, tem conhecimento

Que ele também tinha grande coração.

 

- LXII -

 

Novidade Delmiro então gostava

E adorava a tecnologia

E muito antes de construir a via

Tinha carro automóvel que mostrava

Soltando poeira se passava

E um carrossel instalou por diversão

Em Vila da Pedra chamando atenção

Compensando o ser autoritário

Pois pra muitos foi extraordinário

E motivo pra muita exaltação.

 

 

- LXIII -

 

Contam também de quando ele chegou

E que comprou o seu primeiro carro

Dirigia entre pedras e o barro

E um velhinho antigo lhe falou.

E noutro dia mais uma vez retrucou

"Andar num bicho desse eu queria".

Resmungava o velhinho todo dia

Delmiro botou o velho a seu lado!

E viajou com ele encabulado

E o fez voltar a pé sem alegria.

 

 

 

 

Página publicada em abril de 2014

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar