Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

HÉLIO SOARES PEREIRA

 

Natural de Teresina, Piauí, formado em Letras ( Língua Portuguesa e Literaturas Latina, Portuguesa e Brasileira ), havendo iniciado na Fundação Universidade Federal do Piauí e concluído no Uniceub (DF). Fez  pós-graduação em Moderna Literatura Brasileira  (DF), e  Metodologia e a Didática do Ensino (SP). Em Teresina foi auxiliar de escritório, inspetor geral da polícia estudantil secundarista (1963 até 30/03/64), e delegado de polícia (1º DP, de 1970 a fev/74). Chegou  em Taguatinga (DF) em 1974, trabalhou no jornal Correio Braziliense, Caixa Econômica Federal e Banco de Brasília (BRB). É professor da Secretaria de Educação do DF. Membro-fundador da Academia Taguatinguense de Letras, do Sindicato dos Escritores de Brasília e da União Brasileira de Escritores ( seção,Brasília/DF ). Colaborou na criação da Biblioteca  Braille Dorina Nowill  em Taguatinga, DF.

 

Bibliografia: Onde o Horizonte vem Esconder-se...(Poesia. Gráfica e Ed. Esteio. Tag, DF/82); Poesia com Chantilly (Thesaurus, BSB,DF/93); Carícias que as mãos e os lábios tecem (Thesaurus, BSB,DF/93); No Laço da Opressão (Gráfica Valci Editora, BSB, DF/98); Eclipse das Mentes (Gráfica Valci Editora, BSB,DF/98);  Para que não reste o silêncio (Gráfica e Editora Bandeirante. BSB, DF/2007).

 

Participou de antologias, dicionários de escritores, enciclopédia de literatura e traduziu alguns de seus textos para o latim, italiano, espanhol, francês, inglês e alemão. Fez texto poético trilíngue e em gíria. Premiado em vários concursos literários. Alguns de seus textos poéticos foram colocados nos ônibus de Brasília, juntamente, com os de outros escritores, SECDF/1995). 

 

                    O PENSADOR MODERNO

 

 

O laço da opressão

  espremeu a fome

     e da multinacional

        veio o aborto

 

O pensador moderno

  - controle-remoto

      piscou os olhos

         num curto-circuito

            e viu o pensamento

               reprimido

                  contraído

                     corrompido

 

Então

   chegou o eletricista

      e colocou

        no pensador

           olhos novos

              importados

 

                                (Do livro: Onde o Horizonte vem Esconder-se....

                                  Ed. Esteio. Brasília, DF. 1982)

 

 

                                                DUAS AMIGAS

 

Pelas ruas do meu ser

    a morte e a vida

       são duas amigas

           que passeiam

                de mãos dadas

 

                       (Do livro: Onde o Horizonte vem Esconder-se...)

 

                                              

                                               O HOMEM E A NATUREZA

 

Vi um homem praguejando

   à margem de um rio

     e as águas batendo forte

        nos troncos

           abafavam-lhe a voz

 

Vi um homem pescando

   à margem de um rio

      e as águas batendo forte

         nos troncos

            harmonizavam o silêncio

               do pescador

 

 

                                               (Do livro: Onde o Horizonte vem Esconder-se...

                                                 Ed. Esteio. Brasília, DF. 1982)

 

                 

                                   OCEANO DO MEU SER

 

A ilha do meu jardim

  vaga nas ondas livres

     do meu pensamento

        que me joga

           na minha mais distante praia

               e me arrasta

                  no mais fundo oceano

                     do meu ser

 

               .                              (Do livro: Onde o  Horizonte  vem Esconder-se...

                                                     Ed. Esteio. Brasília, DF. 1982)

 

 

                                                  TERESINA

 

 

Hoje eu te contemplei

     na fantasia

           dos meus olhos

 

E te senti

     no calor da terra solta

           de minha infância

 

E subi

     nas tuas árvores verdes

           de minha juventude

         

E te molhei

     na água filtrada

           de minha saudade

 

                                      (Do livro: Onde o Horizonte vem Esconder-se...

                                         Ed. Esteio. Brasília, DF. 1982 )

 

 

              AS ABELHAS

 

Besouros papões

  não gostam de abelhas lindas

      que bebem nas flores

             raios de sol

 

Nem do girassol

    que gira o sol

           das tardes belas

 

Preferem

     as abelhas

          de rapina

              -  abelhas

                     amarelas

 

                                   (Do livro de poesia infanto-juvenil: Poesia com Chantilly.

                                     Ed. Thesaurus. Brasília, DF, 1993)

 

 

                                                      BARQUINHO

 

Coloquei meu barquinho n’água

    e deixei o vento soprar

 

Vai pro mar barquinho!

    Vai!

 

Entra no verde das algas

   e lava todas as mágoas

      depois vem

 

Vem passear de trem

    comigo

 

Olha pro sol

    sorrindo no céu

 

E aceita

    este abrigo

         com muito carinho

              barquinho

 

                                  (Do livro de poesia infanto-juvenil: Poesia com Chantilly)

 

                                     

TODO PRAZER

 

Todo prazer

     traz insônia

          Traz alguém

               que fica

                    também

                        sem

 

o olhar

    que escorre

          no canto do olho

               e cai

                    na boca

                          de quem

 

sente

     a leveza do sim

            derretido

                  nas malícias

                        de um completo

                                                cio

 

                                        (Do livro: Carícias que as mãos e os lábios tecem.

                                          Ed. Thesaurus. Brasília, DF, 1993)

 

                                                        

                    FUGIR

 

Fugir para dentro das ruas

     é sentir-me só

           distante da vida

                 sem palavra

                       sem eco

                             no exílio

 

Fugir para dentro de mim

      é encontrar-me nos encontros

             dos cantos e das fontes

                     entre as manhãs e as noites

 

Fugir para dentro das ruas

     é esquecer-me nos dias inúteis

           é tornar-me desfigurado

                 entre os figurantes

 

Fugir para dentro de mim

     é libertar-me em gestos crescentes

                   de amor e memória

 

                                       (Do livro: Eclipse das Mentes.  Gráfica Valci Editora. 

                                          Brasília, DF, 1998)

 

 

                    O HOMEM E A PEDRA

 

A pedra permaneceu intacta

      na velha estrada

           até o dia

                 em que o homem

                         tropeçou nela

e enfurecido

      resolveu jogá-la

              no fundo do rio

 

A pedra permaneceu intacta

      no fundo do rio

             até o dia

                    em que o homem

                          precisou de areia e pedra

                                 para construir sua morada

 

                          (Do livro: Eclipse da Mente. Gráfica Valci Editora.

                                                          Brasília, DF, 1998)

 

                                

                    O MALA (*)

 

A onda anda mansa

     nas bocas da maré

          sem o agito das moitas

 

Um mala

     pinta no pedaço

          na cola

               de quem tem trampo

 

Alguém dá o berro

    - Cadê meu cruza? 

 

A boca esquenta

     O cana vai fundo

           pisando nos calos

               do brasuca cara-de-pau

                     que tenta

                            fugir da raia

 

É a maré

    que não tá pra peixe

         - só pra anzol

 

O mala é fisgado

    com um berrante na cuca

          que se funde nos grilos

Mas muito Vivaldino

      saca na fuça do cana o chapa

             que se liga em cascata

 

E deixa cair de leve

     a gaita

           na boca do balão

 

_________________

(* )Poesia em gíria.

 

                                     (Do livro: No Laço da Opressão (1964/84). Gráfica Valci

                                        Editora. Brasília, DF, 1998)

 

                       

                                                 CAMINHEIRO DA PROCURA

 

E o homem parte

   à procura de si mesmo

       num ponto de luz

             criando imagens

                 -  al di la  dos sentidos

 

E passa imóvel

     até se descongelar

           na alma

                e na lógica

                     de todos os reflexos

 

Olhos do corpo

    Olhos da mente

         Nessa oficina de idéias

              a luz é um ponto de vista

                     que mistura as cores ao sabores

                            e ilusões

 

E o brilho da noite

     ou o brilho do dia

         depende da magia

                que existe em nós

 

                                  (Do livro: Para que não reste o silêncio. Gráfica e Editora

                                     Bandeirante. Brasília, DF, 2007)




Voltar para a  página do Distrito Federal Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar