Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




ELIAS COSTA

ELIAS COSTA

 

Autor dos livros de poesia Sonhos de um Bruxo - Noite da Alma (Goiânia: Kelps, 2001) e O Intérprete do Mal (Brasília: Thesaurus/FAC, 2004).

 

 

PRISÃO SATÂNICA

 

Não quero voltar a esta pedra que me consome,

Esta dor do desejo que não alimenta a fome.

Não quero comer deste prato de sangue talhado

Onde se encontra a vida do louco e amargurado.

 

Não quero deste repudioso pão dolorido,

Este afago do inferno, este guia perdido.

Não quero este anzol e esta letárgica tortura

Onde festejam juntos prazer e sepultura.

 

 

DEBAIXO DO CÉU

 

Mundo de decisivos quereres

E raríssimos pensares.

 

Mundo das imobilidades vegetais,

Dos homens, inertes animais.

 

Mundo dos desaproveitáveis espaços,

Dos psicotrópicos e marca-passos.

 

Mundo dos deleites perigosos,

Audaciosos abismos viciosos.

 

Mundo de festas e morfinas,

De loucuras e elípticas ruínas.

 

Mundo da promessa e do adeus,

Do esquecimento e da ausência de Deus.

 

 

GERAÇÃO PERDIDA

 

Ei, barman ,

Dê-me um copo de sexo

Bem gelado.

Pra eu entrar na night

Alucinado.

Traga-me também

Camisinhas de chiclete,

Só para espantar o medo

Das coisas caretas.

Um último pedido:

Três cubinhos de sugar

Aqui no meu nariz

Para adocicar a noitada

Da minha vida desgraçada.

 

 

O ESPELHO

 

Disse que a vida era feita de horizontes

Com uma mão cheia de gritos indefinidos.

Libertou um pássaro do bolso

Com suas agulhas quebradas,

Pregado sobre um sonho triste.

Arrancou as vestes apressadamente

E correu como um louco

Por sobre um caminho disforme

Deixando para trás uma perna,

Gotas açucaradas de sangue

E pedaços de um jornal rouco

Desenhado num abstrato

Auto-retrato.

 

 

 

Elias Costa

 

COSTA, Elias.  Pedras e flores.  Brasília, DF: Centro Editorial, 2015.  88 p.  14x21 cm.           ISBN 978-64494-72-5  Nome completo do autor: Joaquim Elias Costa Paulino.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 


        

 

PEDRAS E FLORES

 

Talvez seja melhor sofrer a dor a anestesiá-la.

Antecipar o sofrimento que o deixar para depois do sono.

Às vezes, é necessário viver por detrás de vidraças quebradas

Por pedras atiradas pela inconsciência alheia,

Carregar as cruzes que os outros abandonaram.

Não se pode abandonar uma guerra sem antes morrer por
                                                         [tentar vencê-la.
A dor da tentativa não leva à insanidade, mas aos palácios do
                                                                           [amor.

E se não houvesse a dor, de que serviria a misericórdia divina?
E se não houvesse a dor, quem compreenderia as dimensões do
                                                                            [amor?

 

 

 

         UNIVERSOS

 

         Dedicado ao ilustrador Fernando Lopes

 

 

Os cavalos estão brincando.

Estão correndo sobre os campos do céu,

De estrela em estrela.

 

Todas as noites os cachorros passeiam pela lua
Onde colhem e comem a virtude dos lobos
Até se tornarem eles mesmos.

 

Os elefantes navegam pelos oceanos do céu
Como titânicos navios de velas sem destino
Engolindo os planetas.

 

Os peixes mergulham nas lavas do sol
Enquanto os pássaros recolhem os cometas
Para soltá-los nas próximas noites de revoadas.

 

As árvores reúnem-se em volta das fogueiras
E cantando e dançando pela música das chuvas
Esperam em silêncio o sacrifício de si mesmas.

 

Os homens colonizam os buracos negros,
Desbravam os labirintos do vácuo,
Semeiam pesadelos e assassinam sonhos.

 

 

 

NÓS MESMOS

 

         Ao ilustre poeta Antonio Miranda

 

 

Quem me levou a ingenuidade
E fez-me meu próprio canibal,
Decerto também comeu dos frutos
Da árvore da ciência do bem e do mal.

 

Quem foi este que me extraiu do silêncio,

Libertou meus monstros

E teceu em meus olhos as teias da dor?

 

Quem foi este que me batizou em águas poluídas,
Arremessou-me no inferno e privou-me da vida,
Como quem entra no nada e não acha a saída?

 

Quem sou este? Quem sou este?
Quem sou este sem mim?
Quem sou este que devorou meu eu?
O meu próprio assassino de mim.
   

      

O GARIMPEIRO DE ALMAS

 O Garimpeiro de almas
Garimpava tranquilo sobre as águas.
O poeta perguntou:

— Quanto de nós será tirado,
Garimpeiro?
 E Ele respondeu:

—Quanto for preciso.

E com a bateia em suas mãos, continuou
Separando pedras de pedras,
Recolhendo humildes partículas de ouro
E descartando orgulhosos seixos.

 

Elias Costa

  

COSTA, EliasFlor na tempestade.  Brasília, DF: Trampolim, 2017.   120 p.  ilus. 14x21 cm.  Nome completo do autor: Joaquim Elias Costa Paulino. ISBN 978-85-92864-84-2   Ex. bibl. Antonio Miranda

 


 

ATÉ QUANDO?

 

Até quando atormentar as feras?

Até quando oxigenar destroços,

cultivar farpas e colher crateras?

Até quando reanimar cadáveres,

assassinar o Eu?

Até quando reviver na história

o que foi maldito e nunca teve glória.

 

 

 

POEMA DISPERSO

 

Onde foi, no destino, em que uma das veias deste rio se

                                                                  [secou?

Onde a energia se isolou? Onde vácuo?

Onde foi que o elo da corrente se quebrou?

 

Onde mãe deixou de ser mãe, pão de ser pão? Morte?

Onde o homem entregou ao acaso a sua sorte?

 

Onde Adão? Onde Eva? Onde sexo? Onde trevas?

 

Onde estamos nesse momento?

Onde me faço? Onde me arrebento?

Em que parte do espaço a gaivota perdeu o seu vento?

 

 

EM NÓS MESMOS 

Um grito inaudível
dentro de um eu incerto.
 Se aqui dentro é floresta,
lá fora é deserto.
 

Enclausurado,
um homem caminha em si mesmo,
por dentro de metáforas humanas.
Amor e Amargura.
Ali, percebe o florescer das horas
nos mais belos jardins
e mais sombrias sepulturas.
Ele nasce, cresce, envelhece e morre.
E ele, enquanto cego, não compreende que nem   
                                                         [espírito
é eterno.

 

O LIXÃO 

Onde os ratos festejavam os humanos excrementos
e os urubus velavam pelos ascos bolorentos,
o sol incendiava um forte hálito cruel
de decompostos orgânicos, lixo e papel.
 

No aterro empilhavam-se carroças, caminhões,
multifaces definhantes em enormes multidões
de seres que ceifavam no bagaço da matéria
realidades retorcidas e migalhas de miséria.
 

Vez em quando a cólera das máquinas se ia
e os famintos devoravam o que a terra engolia.
Vinda a noite, inflamadas, as víboras no mato
espreitavam os famintos ao luau do fogo-fátuo.
 

 

 

 

Página ampliada e republicada em fevereiro de 2018

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Voltar à página do Distrito Federal Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar