Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AUGUSTO RODRIGUES

“Augusto Rodrigues projetou este livro como Lúcio Costa e Niemeyer arquitetaram Brasília. De forma simples e criativa venceu por unanimidade o prêmio Fernando Mendes Vianna da Associação Nacional de Escritores. “ VICTOR ALEGRIA – editor.

 

RODRIGUES, Augusto100ª. página Augusto Níemar.  Lisboa: Chiado Editora, 2015.  Exemplar na bibl. de Salomão Sousa.


“Palavra e cenas se completam no movimento veloz do ato e da memória de indivíduos e personagens resistentes que podem, e sempre são, um só e todos ao mesmo tempo, no picadeiro do mesmo circo.” (…) “Nas páginas de cada página até a centésima. O homem narrativo é materializado no poema. Os personagens, emprestados de outros, complexos, motivadores, habitadores de sala de cinema, foram criados por autores importantes da arte ocidental. Agora, refilmados por este hacedor”. LEMUEL GANDARA.

“Sonetos?! Por que não?” ANTONIO MIRANDA

 

DO ANJO AS FACES

anjo e asas de pedra

entre anjos do senhor

barroco, entendeu o que é uma vida

caiu. agora pouco, e foi ser andou amou foi ao cinema
e lamentou e fez poesia foi funcionário público e caiu
e visitou amigos foi à praia e foi à luta e bebeu e caiu
e se atirou da altura do último andar: caído e agora?

desceu desceu aos infernos, dançou e mais desceu,
à meia-noite, centro da terra, descida, no rio do fogo
voou com andorinhas de arame farpado e embalado
pelo venro quenre do ninho: saturnal doido de pedra

nem anjo, em pessoa, nem demónio
 
foi, anjo, ser gaúche na morte

caído, em si, movido comovido.

 

 

DA APARIÇÃO A JANELA      

no estado físico presença e peso

no estado sólido leveza e noite

em estado, latente, de graça

no sonho, ela, por ele, fixava-se e ele, no sonho dele:
amado pra valer, penetrava, no sonho dela, seu ser
da insustentável leveza de partir ela, ao ir para fora:
da partida: saía dos dias dizia: esta história: estoria

 

é esta impossibilidade em que estava, departir dela,
que fez com que ela pudesse pensar em partir dele
no partir era possível, nos passos, ela, aparição, na
leveza dela: restava e ficava nele, o sentimento dela

ele, deitado calado dormia, colcha de retalhos dela
departia dela coloria, a outra, partia, parte dele, nele,
esvanecia, por emprego, empregava o dia em poesia
trabalhava até quando dormia e ela, lá fora mais fugia

e fora ficava e mais se ia: o dia

na melhor hora do dia: a noite

parte dele amava, parte dela contia.

 

 

DAS NAUS SARAMAR

cristóvão colômbia

pedro pau-brasil

américo - nome errado eternizado

para que se crie o novo admirar intuir forçar
brincar adivinhar, laranjamar, ouvir conchas
catar, voz oceana, o criado para rotar girar:
carrossel, pião, diabolô, labirintos e planetas

na carrapeta navegar para que navegue o navio
o descobridor se guiar pela paixão de imaginar
astrolábio de cegar, estrela-guia, aquémtejo,
eternidade e desejo de navegar: lusa-niemar

lance de cartas

nabolição de ocasos: as naus

renavegar, centrar, saramar.

 

 

De
RODRIGUES, Augusto
  Onde as ruas não têm nome
 Brasília: Thesaurus Editora, 2009. 
110 p.  ilus. ISBN 978-85-7062-953-1



O casulo reforma
fechado dorme
o corpo fechado
o olho a asa a cor
abertos formar o ar

metamorfoses em par
aberto casulo dança
dançar o corpo lançar
asas de avoar: asar
metamorformas do ar

brilhar mais forte
e mais: performar
redemunhos soprar
linhas inventar aventar
borboletas: fios de ar

 

 


a forma mundo-ser:
o mundo formado
ser-tão mundo forma

desmisturar alma for
mar a palavra escrever
mar tão se água forma

mar de água formar
o mundo coberto de mar
enformar o ser tão alma

mas de água magma ser
de lama: sertão niemar
mas: o ser a mais a mar

a forma ademais afora
formado o cerrado informa
o ser o tão o mundo a forma

 

 

um pastel um caldo de cana
almoçar lanchar jantar
tudo na mesma: viçosa boca

esperar o ônibus esperar

um tempo
(não o pleno dos deuses
nem o vazio da vista)
                            perdido

esperando godot na pista

De
RODRIGUES, Augusto
Do livro da carne (brasílias invisíveis). Brasília: Thesaurus,    2011.  72 p.  ilus.  fromato 15x15 cm. ISBN 975-85-409-0033-2.  Edição de autor, impresso pela Thesaurus.  Projeto gráfico e capa: BrasiliaFazBem. Supervisão: Tagore Alegria. Da mesma forma que muitos livros canadenses, esta edição tem duas capas iguais e os textos vêm de cada das partes para o centro do miolo. Col. A.M. (EA)

 

A seguir, uma das partes do livros, como exemplo da diagramação:

 

 

Extraído de
CAMPUS REPORTER - Ano 7 no. 12 – 2013
Universidade de Brasília – Faculdade de Comunicação

 

RODRIGUES, AugustoNiemar.  Goiânia, GO: Editora Vieira, 2008.  83 p.  14x20 cm.  “ Augusto Rodrigues “  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Página publicada em novembro de 2011, ampliada e republicada em julho de 2014; ampliada e republicada em março de 2015.


Voltar para a  página do Distrito Federal Voltar ao topo da página

 

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar