Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


ANTONIO THOMAZ

Nasceu na cidade de Acaraú a 14 de setembro de 1868, vigário na sua cidade natal, Estado de Ceará.

 

FREIRE, Laudelino. Pequena edição dos Sonetos brasileiros. 122 sonetos e retratos.  2ª. edição augmentada.  Rio de Janeiro: F. Briguet  e Cia. Editores, 1929. 256 p.  12,5x16 cm.  capa dura  Impresso na França por Tours  Imp. R. et P. Deslis.

 

CONTRASTE

 

Quando partimos, no vigor dos annos,

Da vida pela estrada florescente,

As Esperanças vão comnosco á frente

E vão ficando atraz os Desenganos.

 

Rindo e cantando, céleres e ufanos,

Vamos marchando descuidosamente...

Eis que chega a velhice de repente,

Desfazendo illusões, matando enganos.

 

Então nós enxergamos claramente,

Quanto a existência é rápida e fallaz

E vemos que succede exactamente

 

O contrario dos tempos de rapaz :

— Os Desenganos vão comnosco á frente

E as Esperanças vão ficando atraz!

 

 

RAMOS, Dinorá Tomas.  Padre Antonio Tomás - Príncipe dos poetas cearenses.   3 ed.    Fortaleza: Jornal "A Fortaleza", 1981.    176 p.   15,5x21,5 cm.  “ Padre Antonio Tomás “  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

VIÇOSA

 

Nos alcantis da Ibiapaba erguida,

Lá se ostenta risonha entre a verdura

Dos seus vergéis regados de água pura

Da fria pedra aos borbotões nascida.

 

Ali, sobre um outeiro construída

Na viva rocha, há séculos perdura

A sua igreja — berço de cultura

De uma raça valente hoje esquecida. ..

 

Quando a gente, volvendo na memória

Desse templo lendário a antiga história,

Os umbrais lhe transpõe a vez primeira.

 

Julga estar vendo, a percorrer-lhe a nave

A passos lentos, silenciosa e grave,

A sombra augusta do imortal Vieira.

 

 

FUNERAL

Vão-na levando para a sepultura, 
Amortalhada em brancos véus de linho, 
Dentro de um leve esquife cor de arminho, 
Ao fulgor da manhã serena e pura.

Carpindo-a segue o vento e, porventura, 
Para incensá-la agita, de mansinho, 
Ramos em flor, pendentes do caminho 
Cheios de sombras e orlas de verdura.

No entanto o louro enxame das abelhas
Vai atirando pétalas vermelhas
Sobre o caixão franzino que a comporta.

Cai das folhas o orvalho como pranto, 
E as meigas aves em piedoso canto 
Rezam contritas sufragando a morta.

 

NO    CAMPO

(Solilóquio)

Dá-me o sol sua luz e o seu calor me aquece;
Dá-me a terra morada; o rio, a linfa pura;
As árvores, além do abrigo de frescura, 
Doces frutos me dão, em farta e longa messe.

Dão-me as vacas leite, e, quando me apetece, 
Dão-me a carne também; a ovelha, a vestidura;
As abelhas me dão seus favos de doçura... 
Sem que disso lhes venha o mínimo interesse.

Dão-me as flores perfume; e ósculos no rosto 
As brandas virações; as aves, seu trinado;
E os homens só me dão trabalhos e desgosto...

Assim falava eu... E um homem que, escondido, 
Ouvira o meu discurso, olhou-me admirado, 
E perguntou-me a rir, se eu tinha endoidecido.

 

MEDO DE PALMATÓRIA

Brincam na escola do Armando, 
Num reboliço tremendo,   
Os dois filhos do Rosendo
A palmatória brandindo. 
A castigar o Facundo,
Quando o mais novo, — o Clarindo
De um salto a porta transpondo,
Abriu a boca no mundo...   

 

APAIXONADO

O Fernando da Gonçala
É doido pela Marcela
Mas quando a vê na janela,
Fica mudo, perde e fala...
Com o pensamento a segui-la,
Vai alta noite o pachola
(Quando acha uma escapula)
Rondar-lhe a casa da vila,
E, ao terno som da viola,    
Cantar aí uma chula...

 

EFEITO DO VINHO

Todas as vezes que eu janto, 
Em casa do Nascimento,
É pesado e sonolento
Que da mesa me levanto...
E só me queixo do "tinto"
Que ele me serve tão pronto
Para regar o presunto,
Pois, se o bebo, logo sinto 
Ir-me à cabeça, e, de tonto, 
Não sei mais do meu bestunto...

 

DOUTOR ARROGANTE

Voltou do Rio; formado, 
O Juvencio do Tancredo, 
Que — diz-se muito em segredo, 
É tolo e mal preparado... 
Com seu gênio desabrido 
Desagrada o povo todo. 
Seu pai, um velho sisudo, 
Exclama, compadecido:
— "O meu doutor, pelo modo, 
Veio mais besta do estudo"...

 

BEM FEITO

Embriagou-se o Vilaça
Na barraquinha do Lessa,
E, de atrevido, não cessa
De invetivar a quem passa...
O bodegueiro o atiça
E o cabra mais se alvoroça;
Eis no balcão se debruça, 
E diz: — "Eu quero as alviça", 
Senão derrubo esta joça, 
E gente apanha na fuça"...

 

HARMONIA CONJUGAL

Com a Joana se atraca, 
Para dar-lhe uma sapeca, 
O seu marido — o Maneca, — 
Ela do coz puxa a faca, 
E ele a tremer todo fica, 
E, em brados, a filha espoca:
— Mamãe, você está maluca?! 
Mas a Joana replica:
— Menina, cala esta boca, 
Deixa de asneiras, Biluca. —

 

 ==============================================================

 

A MORTE DO JANGADEIRO

 

Ao sopro do terral abrindo a vela,

Na esteira azul das águas arrastada,

Segue veloz a intrépida jangada

Entre os uivos do mar que se encapela.

 

Prudente, o jangadeiro se acautela

Contra os mil acidentes da jornada;

Fazem-lhe, entanto, guerra encarniçada

O vento, a chuva, os raios, a procela.

 

Súbito, um raio o prostra e, furioso,

Da jangada o despeja n´água escura;

E, em brancos véus de espuma, o desditoso.

 

Envolve e traga a onda intumescida,

Dando-lhe, assim, mortalha e sepultura

O mesmo mar que o pão lhe dera em vida.

 

 

O PALHAÇO

 

Ontem, viu-se-lhe em casa a esposa morta

E a filhinha mais nova, tão doente!

Hoje, o empresário vai bater-lhe à porta,

Que a plateia o reclama, impaciente.

 

Ao palco, em breve surge... pouco importa

o seu pesar àquela estranha gente...

E ao som das ovações que os ares corta,

trejeita, canta e ri, nervosamente.

 

Aos aplausos da turba, ele trabalha

para esconder no manto em que se embuça

a cruciante angústia que o retalha.

 

No entanto, a dor cruel mais se lhe aguça

e enquanto o lábio trêmulo gargalha,

dentro do peito o coração soluça.

 

 

VOLTANDO A CASA

 

Passei um mês, um mês inteiro, fora

Do meu lar, sem ouvir meus passarinhos,

Sem ver o louro bando de amiguinhos

Que aí deixei! Cruel, longa demora!

 

 

 

Mas, afinal, eis-me de volta agora,

E na ânsia de ver os coitadinhos,

Que suspiram talvez por meus carinhos,

Fustigo o meu corcel, que o chão devora.

 

Avisto a casa além, dobro a tortura

Que dela me separa... Oh! que ventura

Eu sinto na alma ao ir-me aproximando!

 

Chego ao portal, puxo o ferrolho e entro,

E me recebem pela sala a dentro

Crianças rindo e pássaros cantando.

 

 

TEXTO EN ITALIANO

 

Imagem: www.artemery.net

 

Extraído de

 

MIRAGLIA, TolentinoPiccola Antologia poetica brasiliana.  Versioni.  São Paulo: Livraria Nobel, 1955.  164 p.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

CONTRASTO

 

 

Quando si parte, nel verdor degli anni,
E s'inizia il cammino delia vita,
A noi dinanzi, la speranza invita,
E ci restano indietro i disinganni.

 

Allegri, soddisfatti, senz'affanni,
Si prosegue la splendida salita.
Ma ecco le vecchiaia, inavvertita,
Che uccide le illusioni, coi malanni.

 

E allora ci accorgiamo, chiaramente,
Che l'esistenza è rápida dimora.
E succede l'opposto, esattamente,

 

Delle ore giovanili, ormai lontane :
Il disinganno ci precede ognora
E la speranza indietro ci rimane.

 

 

Página publicada em abril de 2014

 

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar