Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: http://www.resenhabahia.com/

 

]

Sérgio Mattos (Fortaleza, 1 de julho de 1948) é um poeta, jornalista, compositor e professor universitário brasileiro.

 

Está radicado em Salvador desde 1959. É mestre e doutor em Comunicação pela Universidade do Texas, em Austin. Foi editor do jornal A Tarde, de Salvador e é diretor da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).

 

Livros de poesia: Nas Teias do Mundo (1973); O Vigia do Tempo (1977); Time's Sentinel (1979); Já Não Canto, Choro (I No Longer Sing, I Cry) (1980); Lançados ao Mar(1985); Asas Para Amar (1995);

Estandarte (1995); Trilha Poética (1998); Étendard (1998); Fio Condutor (2006); Essência Poética(2011); Era uma vez um poeta (2010).

 

Fonte da biografia: wikipidia

 

 

 

 

        RETROPECTIVA DO MUNDO VIRGEM

 

                                          A Burle Marx

Vivo numa terra-mundo violada,
poluída e estraçalhada.
O verde findo chora orvalho
neste tempo de palhaçada.

O mundo das flores
foi despetalado
no tempo de espinhos.
— O verde fino chora orvalho
neste tempo de palhaçada:

A infância pura
cheia de figuras e liberdade
invade-me a lembrança:

O ar despoluído e céu brilhante
daquela época foram despojados
deste tempo.
Vivo numa terra-mundo violada
poluída e estraçalhada.

— O verde findo chora orvalho
neste tempo de palhaçada.

(1973)

 

 

 

 

ESTANDARTE

 

Que os poetas

façam a Revolução da Canção,

que usem as flores, as palavras

e os poemas como armas

da libertação.

Que os poetas cantem

o amor, a  liberdade

e usem a verdade

como estandarte

na luta contra a alienação.

                                      (1979)

 

 

 

 

SERTÃO

 

No meu sertão

a vida é traquejada

e as mãos são calejadas.

Aqui estou longe da fumaça

das grandes cidades

e perto da simplicidade

das vaquejadas.

Com o surgir do sol nascente

o canto dolente

do vaqueiro rompe a preguiça costumeira

de todo amanhecer inocente

desta terra, onde ainda se pode sentir

alegria em ver brotar a semente,

sentir a força do vento,

saber o valor da chuva

e morder o talo do capim verde.

                                               (1979)

 

 

 

 

 

QUESTIONAMENTO

 

Senhores!

Seria o branco a pureza que procuro

entre tarjetas, nas sarjetas,

nas saletas escuras

dos sebos sem rótulo, nem selo?

 

Senhores!

Não há luz na sarjeta.

Seria o poema a chama

ou o preço da fama?

 

                             (1989)

 

 

 

Página publicada em março de 2020


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar