Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

MARIA LÚCIA MARTINS

 

Baiana da região de Jequié. Licenciada em Filosofia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERj em 1976, especialista em Educação Matemática e Psicopedagogia  Clínica e Institucional,  é também autora de muitos livros de poesia: Espaço perplexo (RJ, 1985), Entre medos, brinquedos (RJ, 1993), Tempo indômito (RJ, 1990).

 

O melhor da poesia de Maria Lúcia Martins é o sopro de emoções generosas que, quando consegue formular com economia e intensidade, nos envolve e nos encanta. Nessas ocasiões revela-se a poeta que ela é.    Ferreira Gullar

 

Maria Lúcia Martins é uma dádiva. Ela pratica um lirismo que parece fácil, desgastado em outros, mas nela é autêntico, vívido, convincente, emocionante. Leve a partir da matéria densa e grave, sutil sobre elementos tão deterministas da condição humana, e da mulher. Solidão e compartilhamento, discreto e pungente.

Antonio Miranda

 

 

A seguir, a 2ª. versão de um poema enviado pela autora para o nosso Portal: 

 

 

Quando a lua vaza

                            

                                               

                                                   Maria Lúcia Martins

 

Quando a lua vaza,

a noite – enciumada de tão leve clara-idade

 – se alarga, engrossa e toda se encrespa

por cegar a lua.

 

Quando a lua vaza,

a noite (efêmera rainha) morde a própria cauda

negra, temendo o brilho mesmo de estrelas

há milênios mortas.

 

Quando a lua vaza,

entanto, o coração dos homens limpos chora.

Chora de ternura pelo vazio nada. Nada, 

único bem eterno.

 

 

Nova Friburgo, Parque da Magnólias, 25 de junho de 2011

 

 


De

A CONDIÇÃO DE PÉGASO

Salvador, 2002

 

 

AUSÊNCIA

 

Este meu jeito estranho

de olhar dentro de mim

e não passar nenhum encanto ao Téo,

 

este meu jeito canhoto

de estranhar o mar, o ar, o quarto,

e o nó, à garganta, travado

ao elevador,

 

dá-me a esperança de que nem tudo

é meu desajeito: é tua ausência mesmo,

refletida na curva do caminho

onde costumavas me esperar.

 

***

 

PARA ALÉM DE NÓS

 

         a Ruy Duarte de Carvalho

 

Para além de nós... Uma janela aberta

para o mundo. Nele, tudo que está.

Minha conivência com a paisagem

         esvaída do não-descoberto.

 

“Para além...” certamente é muito longe

de olhos de ver, de ouvidos de escutar.

(Diga, apenas — depois — em sussurro).

 

Para além... certamente é distante,

e o viver tão incerto. (Diga, apenas

— talvez — em voz mansa, não afirme).

 

Para além de nós: não, não posso dizer

assim. Que um homem “é estar aqui e agora,

         cada qual no seu tempo”.

 

***

 

                     ESPAÇO PERPLEXO

                           

                            a Paulo Martins

 

                   Por ter vivido densa infância

                   (medo de almas, de lobisomens)

                   sob o horizonte de cores imprecisas,

                   fiquei cravado ao chão

                                               dourado

                   das folhas da amendoeira.

 

                   Por ter negado ao outro o domínio

                   aliciante, olhos escancarados,

                   necessitei não ver. Debati-me, às cegas,

                   com fantasmas vivos e me atropelei

                   nas quinas do mundo. Entre escombros

                   de castelos e ciúmes reinaram as

                                               sombras.

 

                   Por ter sentido muito mais que

                                               compreendido

                   e a angústia fosse a face gêmea

                   da minha alegria, a minha fala

                   e meu canto: a mesma voz do que

                                               sou silenciado.

 

                   Por ter continuado a caminhada

                   — quintal do pensamento —

                   faço a espiral que é meu caminho.

                   Contradição: jamais sabendo

                   para que lado gira — me orienta,

                   entre o que sou e o meu desejo.

                   Perplexo ante a condição

                   do humano — habitante e estrangeiro —

                   a cada vez que me assassino, retorno

                   à criança, condição de espanto.

 

***

 

 

NENHUM ESQUECIMENTO

 

As coisas, a casa (e sua trama

simples, bela), nada conta.

E mesmo a alegria da brisa

nada consegue animar.

 

         Entanto, no oco dessa ausência,

tudo confirma que estiveste aqui.

         Não por existir uma foto,

alguma prenda ou a tua

voz gravada.

 

Somente, quieto, o meu pensamento

acusa um certo bem, um certo encanto

de alma lavada e de nenhum esquecimento.

 

 

 

                     GOIABAS BRANCAS

 

                   Raízes se retorcem (imitam cobras)

                                                        cravadas no chão.

                   A copa faz a filigrana: os vazados verdes

                   das folhas, geometria dos galhos.

 

                   O sol, artesão diário, confere as goiabas

                   pelo cheiro (a polpa e o branco da casca).

 

                   Mil passarinhos bicam o verão

                                                        da goiabeira

                   e gritam, fartos, de mesmo alvoroço:

                   “Já é-vem, já é-vem, já é-vem...”

Querem apagar o sono da terra.

 

A noite se abre aos mistérios.

                   As ninfas (árvores de fartos cabelos

                   negros) se enfeitam de jóias de prata

                                                        — goiabas brancas —

                   enquanto se vestem de toda lua.

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2008; página ampliada e republicada em junho de 2011.

 



Voltar para a  página da Bahia Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar