Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

JONAS DA SILVA

(1880-1947)

 

Jonas Fontenelle da Silva (Parnaíba, 17 de dezembro de 1880 — Manaus, 5 de junho de 1947) foi um poeta brasileiro. Nasceu na cidade de Parnaíba, Estado do Piauí, filho do Dr. João Antônio da Silva e de sua esposa,D. Firmina Fontenelle da Silva.

         Iniciando as primeiras letras em sua cidade natal, aos 11 anos de idade mudou-se com a família para o Amazonas, onde prosseguiu em sua formação intelectual. Mais tarde,ingressou na Faculdade de Odontologia de Salvador,na Bahia, de onde muda-se para a do Rio de Janeiro,diplomando-se em 1899. Durante a sua estada em Salvador, conheceu o escritor João da Silva Campos e juntos foram os precursores do movimento simbolista baiano, iniciado em 1898. Com outros poetas do movimento, idealizou, fundou e manteve a sociedade literária Nova Cruzada, em cuja revista colaborou com a publicação de várias poesias. Em 1900, já morando no Rio de Janeiro, conheceu o poeta Bernardino Lopes e por meio deste, que era bastante influente na época (um dos fundadores da Folha Popular ao lado de Cruz e Sousa), publicou Ânforas, seu primeiro livro de versos. Lopes, apreciando a obra, se dispôs a prefaciá-la. Dois anos depois, pela mesma tipografia publicou seu segundo livro de poesias, Ulanos.

         Anos mais tarde fixou residência definitiva em Manaus, onde publicou, em 1923, Czardas, seu terceiro e último livro, pela tipografia da revista Cá e Lá. Nessa mesma revista contribuiu por vários anos como colaborador em paralelo à sua carreira de dentista. Após aposentar-se como funcionário do Instituto Benjamim Constant,de Manaus, passou a dirigir uma empresa cinematográfica, vindo a falecer em 5 de junho de 1947, aos 66 anos de idade.
Foi membro efetivo da Academia Amazonense de Letras,cadeira 18 e da Academia Piauiense de Letras, cadeira 24. Seu livro de estreia, Ânforas, traz na abertura um soneto impresso em vermelho, e as demais composições em cor de sépia. No prefácio Bernardino Lopes escreveu: "... terei mesmo a ousadia de dizer que você procura para dourar os seus sonetos a mesma pamponilha usada nos meus", assinalando, assim, a influência que os seus versos exerciam sobre a poética do jovem artista.

          A libertação em relação à influência de Lopes sucede no segundo livro de Jonas da Silva, Ulanos, onde passa a compor versos alexandrinos, embora mantivesse fervorosa admiração pelo "Mestre dos Brasões". Em seu terceiro livro, Czardas, homenageia-o com um soneto intitulado "O Mestre". Jonas da Silva foi um poeta de transição, como Oscar Rosas e Henrique Castriciano.

 

SILVA, Jonas da.  Czardas.  Organização de Tenório Telles.  2ª. Edição revista. Manaus, AM: Editora Valer, 1998.    235 pp.   (Série Coleção Resgate, 4)  15x23 cm.   Estudo crítico por Antonio Paulo Graça.   Capa Álvaro Marques.   ISBN  85-86512-02-8  Ex. Biblioteca Nacional de Brasília, doação da família de Francisco Vasconcelos. 

 

FAC ET SPERA

Faze e espera, é a divisa de esperanças
De alguém que ainda na vida tudo espera
E ainda crê nalgum sonho e na quimera,
Dando ouvido às baladas e às romanças...

Fac et spera! e a fabricar faianças
Levei a minha louca primavera;
E às festas de Amatonte e de Citera
Jarras enviei de todas as nuanças...

Tarde depois, as forças combalidas,
Vejo-as no chão, desiludido quase,
Jarras, crateras e ânforas partidas
"Venho agora concluir a antiga frase:
Fac et spera... o Sofrimento e a Morte!"

 

AVES

No meu pomar, cercado de alto muro,
Entre os galhos e as frondes do arvoredo,
Gosto de ver pousar o passaredo:
0 verde, o azul, o branco, o de ouro e o escuro.

Sei que o fruto lá em cima está maduro
Pelo chilreio que ouço, manhã, cedo...
— Ó galo-da-campina leve e ledo,
Gostas de passar bem, como Epicuro!

Eu sei que tens feitiço e tens prestígio
Mas... entre vós, só a rapina é vezo.
Há quanto tempo usas barrete frígio?

-        Ó trovador divino, ó chico-preto,

Tanto hás de me roubar que um dia, preso,
*/Vivo, a cantar te ponho num soneto!...

 

BERTHOLETIA EXCELSA

Se há uma árvore feliz, decerto é a castanheira:
No bosque ela resplende alta e dominadora.
A árvore da balata essa é tão sofredora,
Inspira compaixão a hevea, a seringueira!

Ela sozinha é um bosque e enche toda a clareira...
No ouriço a natureza o seu fruto entesoura
E a colheita presente e a colheita vindoura
Ei-las todas na fronde augusta e sobranceira.

Na casca não se vê sinal de cicatrizes,
De feridas cruéis por onde escorre o látex...
No seu orgulho é assim como as imperatrizes!

Se a posse é disputada entre explosões de nitro,
Na luta em que se queima a pólvora aos arráteis,
— O fruto é quase o sangue: é negociado a litro!

 

Veja mais poemas de JONAS DA SILVA no nosso Portal:

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/piaui/jonas_da_silva.html

 

Página publicada em abril de 2017



 
 
 
  Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar