Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ÁLVARO MAIA

 

Álvaro Maia, nascido a 19 de fevereiro de 1893, no município de Humaitá, Rio Madeira, veio criança para Manaus. Estudou direito, em Fortaleza e colou grau na Faculdade do Rio de Janeiro. Seu primeiro emprego no Amazonas foi de redator da Assembleia Legislativa, depois Procurador da República. Era jornalista, poeta e político atuante. Foi Deputado Federal (1933–1935), Governador (1935–1937, Interventor com o golpe político do Estado Novo (1937-1945), Senador (1946–1951), novamente Governador (1951–1954 e também Senador da República (1967–1969). Faleceu na madrugada do dia 4 de maio de 1969, na Santa Casa de Misericórdia, acometido de infarto.

Príncipe dos poetas amazonenses.

Obra poética: Jacaré de assombração: lenda do interior do Amazonas (Manaus, 1958)  e Buzina dos paranás (Manaus, 1958).

 

Árvore ferida

 

Ante a constelação do céu florindo em lume

Temos, ó árvore, o mesmo ideal e a mesma sina...

Sangrou-me o peito inerme a sensação divina,

Como a acha te sangrou em golpe de negrume.

 

Dando esmola ao faminto e consolo à ruína

Subimos em bondade, ardemos em perfume...

Bendita a dor criadora, o perfurante gume,

Que em mim produz o verso e em ti produz resina...

 

Ninguém virá curar-te! Apenas os ramalhos

ensinarão à flor a música dos galhos

e ensinarão ao galho as lutas das raízes.

 

Ninguém virá curar-me! Os meus versos apenas

serão o bálsamo desfeito em minhas próprias penas,

sob a ronda de dor dos dramas infelizes.

 

                                                    (Buzina dos paranás)

 

 

Página preparada por Maria da Graça Miranda da Silva, nov. 2013.

 

MELLO, Anisio.   Lira amazônica. Antologia.  Antologia: Amazonas. Acre. Roraima. Rondônia.  São Paulo: Edição do Correio do Norte, 1965.  294 p.  12,5x18 cm.  Ex. Biblioteca Nacional de Brasília, doação da família de Francisco Vasconcelos.

Poemas de Álvaro Botelho Maia na antologia:

 

         TORRES

         As torres da Matriz de minha Terra
         elevam-se de frente para o rio,
         entre as águas girando em trons de guerra
         e os arvoredos de um jardim sombrio...

         Quando a saudade nos espaços erra
         e a voz do sino fere o céu de estio,
         muito lábio piedoso, orando a fio
         pelos que estão ausentes, se descerra...

         As andorinhas, à hora das novenas,
         fogem da terra, elevam-se na altura,
         como se as orações, vestindo penas,

         Voassem, fossem vencer a nostalgia
         dos que longe têm mundo de tristeza
         por instante antigos de alegria.

                   (Do livro  "Buzina dos Paranás")

 

         VEIO D´ÁGUA

         Gosto de ouvir-te, veio d´água pura,
         recortando os recantos escondidos
         de soluços, de vozes, de arruídos,
         entre hinos de alegria e de amargura...

         Choras no coração da selva escura
         a saudade dos trilhos percorridos,
         e ao teu pranto, lembrando os tempos idos,
         a verde alma da terra se mistura...

         És calmo e frio em fases diferentes,
         ora na rude angústia das vazantes,
         ora no desespero das enchentes...

         E, corda de harpa rebentando em festas,
         ergues ao céu, em notas delirantes,
         a epopeia convulsa das florestas...

                            (Do livro  "Buzina dos Paranás")

 

         ÚLTIMA PRECE

         Venho agora com os olhos comovidos,
         depois de andar por dédalos velozes,
         balbuciar-te a oração de minhas vozes
         e o funeral dos últimos gemidos...

         Tenho o tremor dos corações feridos
         pelo gládio das cóleras atrozes...
         Sorvi da dor, em pequeninas doses,
         os amargos venenos diluídos...

         Sorvi... Na queda, no supremo instante,
         vi, debruçado no meu corpo exangue,
         o duplo céu de teu olhar constante...

         Ergui-me ante essa luz consoladora
         para beber da vida de teu sangue
         o sangue de uma vida redentora...

                                     (Do livro  "Buzina dos Paranás")

       

 

Álvaro Maia – Brasil – Poesia dos Brasis – Amazonas – poesia amazonense

-Página publicada em abril de 2017


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar