Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

 

FRANCISCO CAVALCANTI DE

ALMEIDA LINS




Fez os cursos primário e secundário em escolas particulares e no Liceu Alagoano, ingressando logo após no jornalismo, exercendo essa profissão em diversos Estados do país, principalmente no Rio Grande do Sul e São Paulo. Foi funcionário do Tribunal Federal de Recursos, no Rio de Janeiro, onde reside há vários anos. Almeida Lins é um poeta filosófico angustiado, como Antero do Quintal, à procura da forma e do velho problema metafísico. O poema «EVA», que aqui transcrevemos, é a sua obra prima.

Nasceu na velha cidade de Alagoas, hoje Marechal Deodoro, a 13 de de 1895, sendo filho do dr. Silvério Tertuliano de Almeida Lins e de dona Francisca Cavalcanti Lins.

 

Extraído de:

AVELAR, Romeu de.  Coletânea de poetas alagoanos.  Rio de Janeiro: Edições Minerva,  1959.  286 p.  ilus.  15,5x23 cm. 

 

EVA

I

Era o primeiro olhar para o primeiro dia.
Mas, nesse olhar, Adão estuda a Natureza.
E a vê com tal rigor, e tal sabedoria,
que causou, ao Criador, sobressalto e estranheza.

Acaso, Deus, que via o Todo, só não via,
no cérebro de Adão, a brasa, bem acesa,
do Carvão do Pensar? A brasa que alumia
As Coisas, e as quer ver em completa nudeza?

E apostrofou a Deus: - "Algo falta na vida.
Em meu pressentimento, em minha intuição,
esse algo vale mais que a Terra Prometida ... "

Ante essa rebeldia e esperteza de Adão,
que fez o Criador, com a cautela devida?
Promete-lhe: — Outra Vida, outra Arte, outra Ilusão ...

II

A promessa de Deus, porém, diante de Tudo,
por que não se cumpriu?. . . Por que?. . . Era de ver
Adão: ficara triste, angustiado, mudo,
dessa séria mudez que se enche de saber.

Mudez transcendental: com o tormento agudo

Na Dúvida; e a feroz alegria de crer

da força da Razão se vem do livre estudo ...

Mudez que a Adão revolta e o faz rir do dever ...

 

Mudez com esta explosão : - "Que vale ter nascido

à Imagem de Deus, se esse Deus à palavra

das promessas que faz, fica logo esquecido? ... "

Essa pergunta impõe um Concílio dos Céus.

Toda a Corte Divina, apavorada, lavra

o vaticínio cruel: - "Adão está contra Deus ... "

 

III

 

Se Adão, na agreste paz da sua moradia,

já não tinha mais paz enquanto Eva esperava,

quem, melhor do que Deus, ao vê-lo, avaliava

no Anjo Bom, que ainda era, o Anjo Mau, que seria?

 

Quem, senão o Criador, o Fogo que lavrava

no cérebro de Adão — Fogo de rebeldia —

tinha o dever de vir apagar? Se ficava

nos Céus, indiferente, esse Fogo, o atingia! ...

 

E o atingiu! . . . Adão, na primeira Conjura

pensa. Conjura leal. Sua elaboração

adverte o Criador do ânimo da Criatura

de conquistar uma Arte, e possuir uma vida

que sejam, do Universo, uma limitação ...

que sejam, do Infinito, um ponto de partida ...

IV

Eis Eva: — do Universo, uma limitação.

Eis Eva: — do Infinito, um ponto de partida .

Agora, sim! Teria o que aspirava Adão:

ao Ciclo da sua vida, o Ciclo de outra vida.

Teria o Amor. . . Mas, que sucede? Esta traição :

Qual se quisesse ver sua Obra destruída,

A Eva Deus impôs ficar toda escondida

no sendal do pudor, na paz da devoção!

 

Na iminência da luta, era de vê-lo, e vê-la:

Para Eva possuir, Adão fica mais forte!

— Eva, para animar Adão, fica mais bela!

 

E Eva?. . . Chora e sorri. . . Sua harmonização

é a glória do Viver: - Interiormente, é acesa

de Amor, e, exteriormente, é acesa de Ilusão ...

 

X

 

Se Eva foi bela nos jardins do Paraíso,

no areal do Deserto, Eva, é muito mais bela:

agora, seu olhar, de prantos se constela

e tem espinho nos rosais do seu sorriso   .

 

Por que Deus, lá nos Céus, ficara em sobreaviso

após a excomunhão? Porque — atentando nela —

quase a desconheceu: em Eva a dor revela

novas graças do mais fabuloso improviso.

Para bem vê-la, Deus, quis à Terra descer.

À Terra amaldiçoada? À Terra da traição?

À Terra do pecado? À Terra do morrer?

Que fizeram? Se Deus, na Terra da Bonança,

pôs, com Espada de Fogo, os Anjos da Vingança,

na Terra do Suor, eles puseram: - "Não!. . "

 

 

Página publicada em novembro de 2015


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar