Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

FERNANDO MENDES DE OLIVEIRA MENDONÇA

(1895 - ??  )

 

Estreou muito jovem no jornalismo da província, sendo, sem favor nenhum, uma das mais poderosas inteligências no cenário literário de Alagoas de 1919 a 1930. Estudou no «Colégio 15 de Março», matriculando-se mais tarde na Faculdade de Direito do Recife, cujo curso abandonou logo no primeiro ano. Temperamento visceralmente boêmio, deixou resvalar pelas mãos três gordas heranças. Poeta, e dos maiores de sua geração, como também cintilante cronista, abandonou de vez toda a sua atividade literária, transferindo-se para o Rio de Janeiro, logo após a Revolução de 30, onde ingressou na Polícia Civil do Distrito Federal. É hoje, infelizmente, um nome desconhecido da nova geração intelectual de Alagoas.

Nasceu a 2 de junho de 1895, no Pilar. Filho do negociante Francisco Mendes da Fonseca, já falecido.


PULVIS

 

Levantei-a do pó. Formosa e triste.

Dei-lhe o meu braço e ela ficou sorrindo.

Seu sorriso de flor era o mais lindo

Que, nestes campos, por ventura, existe.

Ao brilho do meu nome foi subindo ...

Tudo, perplexo, ao seu primor assiste.

E eu murmurava férvido: - subiste !

Fica-me, agora, erguidamente ouvindo.

Olha este céu de pérola e cobalto!

Aqui, façamos nosso alegre ninho ...

E ela, sozinha, quis subir mais alto.

Subiu, vaidosa, numa verde chama ...

Porém, sem meu amparo e meu carinho,

Tombou de novo, rápida, na lama ...

 

 

A ÚLTIMA SEREIA

 

O que tu és, não sei!

Mistério, reticência em minha vida,

O que aturde minh'alma incompreendida,

O que procuro e nunca encontrarei.

ó fazes-me de vez perder o juízo

Com os teus as saltos cruéis de amor eterno !

Queres-me conduzir ao paraíso

          Pela estrada do inferno.

E eu, apesar de mim, fico enlevado,

Preso e jungido à tua pulcritude.

Por que a tua alma círcica me ilude?

          Que grande mal te fiz?

Por que me complicares nessa trama?

Abandona-me ! Deixa-me feliz!

Ê desgraçado todo aquele que ama !

Vais-me chamar de doido e de cretino

Porque te digo estas verdades tais ;

Porém teu peito é pérfido e assassino

E os teus olhos são fúlgidos punhais ...

Hoje fujo às ciladas dos amores,

Embora estranhos os motivos aches ...

Amei: perdi-me em vagalhões de dores,

Foram-me os corações negros apaches ...

Podes vociferar contra a minh'alma,

Chama-me os nomes feios que quiseres ...

Não perderei mais nunca a minha calma

Para matar caprichos de mulheres!

Vai deturpar outro homem, desgraçar

Outro peito inocente que não este !

Há quanto tempo que deixei de amar!

Por isto, o tempo atrás de mim perdeste.

Prossegue, feiticeira, o teu caminho:

Apupa-me de rude e de covarde ...

Que me importa o tufão de ódio e escarninho?

A culpa é tua que chegaste tarde!

Quantas chegaram, noutros tempos rindo,

E, como tu, sereias, me prenderam ...

Depois partiram, loucas, me ferindo

Em vis acintes que me confrangeram !

O meu peito não mais se martiriza

          Aos golpes da paixão,

Basta a saudade de Maria Luiza :

- Flor de veneno! estrela da ilusão!-

As promessas e juras que me fazes,

          Escuto-as meditando

Que já as ouviram todos os rapazes

De quem vives, colérica, falando ...

Nada mais me comove! Tem certeza.

Enche-me todo verde pessimismo.

Sempre é um retoque cínico a beleza,

E o carinho um requinte de cinismo ...

Eu sei lá! eu sei lá se ainda te amasse!

          Fora melhor que o mundo

          Sobre mim desabasse

Por um gesto benévolo e fecundo !

É muito tarde, adeus ! Foge de mim!

Deixa-me em paz viver com os sonhos meus.

Que mais esperas que te diga, enfim?

Foge de mim! É muito tarde! Adeus!

 

 

Página publicada em novembro de 2015


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar