Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: http://angola-luanda-pitigrili.com/

JORGE MACEDO

 

(Jorge Mendes Macedo) Nasceu na cidade de Malanje em 1941. Fez os estudos primários e secundários em Malanje. Educado nos seminários, freqüentou os seminários Menor e Maior de Luanda até ao curso de Filosofia. Formou-se em etnomusicologia pela Universidade de Kinshasa. A primeira atividade profissional que desenvolveu foi a de regente escolar, tendo ingressado em seguida na carreira administrativa. Após a independência ocupou vários cargos de responsabilidade entre os quais os de Diretor Nacional de Arte e Diretor Nacional da Escola de Música.

Este autor pode ser considerado como sendo um dos raros poetas e ficcionistas que, pela estreia precoce à semelhança de Mário António, assinala com a sua obra a transição de gerações, neste caso da geração de 60 a de 70. E pode tal facto estar na origem da sua propensão para o exercício dos vários géneros literários e associações a outras manifestações artísticas. Acabou por ser igualmente colhido pelo desencanto que longe da pátria se agrava, quando sente o país dilacerado pela guerra. É este > o tema do seu último livro de poesia, O Livro das Batalhas. Iniciou a sua vida literária em 1957 com a publicação do livro de poesia Tetembu.

Obra poética: 1.º Tetembu, 1966, Luanda, e. a.; As Mulheres, 1970, Luanda, NEA; Pai Ramos, 1971, Luanda, NEA; Irmã Humanidade, 1973, Lobito, Cadernos Capricórnio; Clima do Povo, 1977, Lisboa, Edições 70; Voz de Tambarino, 1978, Lisboa, Edições 70; Página do Prado, 1989, Luanda, ENDIPU/UEE; O Livro das Batalhas, 1993, Lisboa, Nováfrica. (Fonte da biografia: http://www.ueangola.com/)

 

AQUELA NEGRA

 

de enxada em punho,

lutando pela minha fome;

aquela negra que jorra suores na minha sede

e que vai de lenha na cabeça

porque o frio me consome;

aquela negra

pobre, sem nada,

que vende os panos para me vestir;

que chora nas ruas o meu nome;

aquela negra é minha mãe.

 

 

(In: Angola Norte, Bissemanário de Malange, terra natal, 1962;

Cosmoran & Delfim, Revista Internacional de Buenos Ayres, 1964;

          I TETEMBU, brochura, edição do autor, 1966.)

 

 

 

VESTIREMOS

 

com kimenemene perfume de libertação

longe-perto

nossa hora

vermelho

de sangue mártir

 

vestiremos nosso muxitu vestiremos sol

fumando makanhas de impaciência

talamungongo na kinjila mastigando revoltas

promontório

vulcão

em malambas que fingimos no avesso de nossos risos

sem riso

 

vestiremos nossos rostos desalienados

vestiremos

 

 

(inNGOMA, Revista Angolense de Literatura, n. 1, dezembro 1974,

Luanda; CLIMA DO POVO, Ed. União dos Escritores Angolanos, 1977.)

 

 

 

O GUERREIRO

 

fala

com ternura aos seus mortos

como um pai

 

morto em humanizar

depois de matar

deita nos braços os espíritos

e beija

na memória

o rosto dos tombados

 

 

(In  O Livro das Batalhas, Nova África Edições e Publicações, Lisboa, 1993)

 

 

Página publicada em setembro de 2015


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar