Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


JOAQUIM CORDEIRO DA MATA

 

 

Joaquim Dias Cordeiro da Matta nasce eum Icolo-e-Bengo, 1857 – Barra do Cuanza, 1894.  Poeta e ficcionista.
Obra publicada:  Delírios (1889); além de várias obras desaparecidas.



JOAQUIM CORDEIRO DA MATA

Mapa de Luanda com a
Rua Joaquim Cordeiro da Mata

 

 

NEGRA!

 

Negra! negra! como a noite

d'uma horrível tempestade,

mas, linda, mimosa e bella,

como a mais gentil beldade!

Negra! negra! como a asa

do corvo mais negro e escuro,

mas, tendo nos claros olhos,

o olhar mais límpido e puro!

 

Negra! negra! como o ébano,

seductora como Phedra,

possuindo as celsas formas,

em que a boa graça medra!

Negra! negra!... mas tão linda

co'os seus dentes de marfim;

 

que quando os lábios entreabre,

não sei o que sinto em mim!...

 

II

 

Só, negra, como te vejo,

eu sinto nos seios d'alma

arder-me forte desejo,

desejo que nada acalma.

se te roubou este clima

do homem a cor primeva;

branca que ao mundo viesses,

serias das filhas d'Eva

em belleza, ó negra, a prima!...

gerou-te em agro torrão;

S'elevar-te ao sexo frágil

temeu o rei da criação;

é qu'és, ó negra creatura,

a deusa da formosura!...

 

 

UMA QUISSAMA

 

          (A Carlos d'Almeida)

 

Em manhã fria, nevada,

n'essas manhãs de cacimbo

em que uma alma penada

não se lembra de ir ao limbo;

 

eu vi formosa, correcta,

não sendo europeia dama

a mais sedutora preta

das regiões da Quissama.

 

Mal quinze anos contava

e no seu todo brilhava

o ar mais doce e gentil!

Tinha das mulheres lindas

as graças bellas, infindas,

d'encantos, encantos mil!...

 

Nos lábios — posto que escuros

viam-se-lhe risos puros

em borbotões assomar...

Tinha nos olhos divinos

revérberos crystalinos

... e fulgores... de matar!...

 

Radiava-lhe na fronte

como em límpido horizonte

radia mimosa luz —

da virgem casta a candura

que soe dar a formosura

a graça que brota a flux!...

 

Embora azeitados pannos,

lhe cobrisse os lácteos pomos

denunciavam os arcanos

de dois torneados gomos...

 

Da cintura a palmo e meio,

bem tecidinho, redondo,

descia-lhe em doce enleio

um envoltório de hondo*

 

Viam-se-lhe a descoberto

— com arte bem modeladas —

(e que eu mirava de perto)

umas formas cinzeladas.

 

----------------------------

 

Co'o seu andar majestoso,

co'o seu todo gracioso,

quando a quissama encarei;

 

eu possuir um harém

e n'elle ter umas cem

— como um sultão — desejei!...

 

 

 

*Hondo, fibra d´embondeiro de que os quissamas fazem vestuário.

Página publicada em fevereiro de 2009.

 


Voltar para o topo da página Voltar para a página de Angola

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar