Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FERNANDO FERREIRA DE LOANDA
(1924-2002)

 

 

Fernando Ferreira de Loanda nasceu em 1924 (em Luanda, Angola). Naturalizado brasileiro, foi jornalista e poeta. Faleceu em 2002, no Rio de Janeiro.

FERNANDO FERREIRA DE LOANDA

ODE PARA BARTOLOMEU DIAS*

 

Ah, Bartolomeu Dias,

marinheiro sem mulheres,

sem cais,

tanto suaste para divisar o Índico

além da tempestade e da fábula,

tanto quiseste ver-te senhor do Oriente,

plantar as quinas e a cruz muito além do teu sonho,

tantas estrelas seguiste,

louco e lúcido,

e outros tantos alfarrábios e adivinhos consultaste,

fundindo o real ao fantástico -

- e os poetas não falaram de ti, o proficiente,

nem dos teus sonhos,

nem dos fantasmas que evocaste,

embora sulcasses a cortina que envolvia

as palavras e o abismo.

.

Pensavas servir a pátria

e serviste a muitas,

Bartolomeu Dias da minha infância,

símbolo da minha raça,

fremes e estuas no meu peito,

e te apegas às minhas veias

para alevantar ao vento as velas

e me arrastar ao Índico.

.

Ah, Bartolomeu Dias,

meu Ulisses lusíada,

eu te sagrarei na pedra,

com a palavra e ante Deus!

Do outrora te lançarei ao porvir,

e não há tempestade

que te abata mais uma vez.

 

 

*Bartolomeu Dias, célebre navegador português, que dobrou, numa viagem ocorrida em 1487-1488, o extremo sul da África (Cabo das Tormentas ou da Boa Esperança), na busca lusitana da passagem para a Índia. Nasceu em data incerta e faleceu em 1500, em consequência do naufrágio da nau que capitaneava e que seguia integrada na armada de Pedro Álvares Cabral, descobridor do Brasil.

 

 

PARA JUAN LlSCANO

 

Como tantas coisas que sonho,

morreu o loureiro que plantei;

 

outras nem morrem: eu as adio,

certo de que jamais as realizarei.

 

 

MADRIGAL DE MONTEVIDÉU

 

Se teces, no teu fiar

enovela o madrugar.

 

Como ave falcoada

bebes por malamar.

 

Malama quem quer

canta por cantar,

 

rosa ou malmequer

amor amaro amarar.

 

Sega o amor cego

ou deixa-o madurar,

 

se sombra o desamor

num bar a nimbar,

 

não teças por tecer,

nem para o afogar.

 

 

 

De
LOANDA, Fernando Ferreira de.
Do amor e do mar.
Retrato de Iberê Camargo.   
Rio de Janeiro: Livros de Portugal: 1964.  86 p. (Poesia Sempre, 21)

 

 

ODE

Acolitando nuvens
brancas não fossem.

         Pastor do céu
anjos houvesse.

         E em rapto febril
de vitrais, evadir-me

         à luz, desvanecido
sob gelosias de fugas.

         E ser o milhafre que tomba
exangue na travessia

         infinita de uma longinque
latitude, à derradeira.

         Mensagens experimentasse
e tudo esquecesse, após.

          Não fora eu,
tu não serias.


                   Junho, 1947.

 

INVERNO

Assobiam-nos, vindo de um sul
frígido, ventos
que nos queimam a boca e as rosas;
o beija-flor enrijece,
a água congela e tolhe o peixe.
Mas o homem permanece — e é necessário
que seja lembrado numa estátua —
desvia rios, abre canais, constrói cidades,
voa e nada.

E procria sem necessitar de primavera.

 

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2009; republicada em setembro de 2011.


Voltar para o topo da página Voltar para a página de Angola

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar