Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANTERO ABREU

 

Antero Alberto Ervedosa de Abreu nasceu em Luanda, Angola, em 1927. Formou-se em Direito pela Universidade de Lisboa. Magistrado.
Publicou: Permanência, Edições 70, Angola/Lisboa, 1979.

 

 

ARTE POÉTICA

A poesia anda por aí
Nas paredes de barro nas inscrições vitoriosas nas
ruas dos musseques* varridos ao domingo

A poesia anda por aí

No olhar atento do soldado da Funda na bazuca
disparada no Leste nas emboscadas do Cuanza-Sul

A poesia anda por aí

No "primeiro passo de guerrilha" dos pioneiros no
drapejar da bandeira negra e rubra no chapéu de
caqui do combatente e na pistola do comandante


A poesia anda por aí

No gesto sábio do pescador que atira a rede no
lento de séculos acender o cachimbo nas sanzalas**
no tropel das manadas de gado no Cuanhama


A poesia anda por aí

No germinar do milho na recolha da mandioca
no bater ritmado do pilão


A poesia anda por

No mungir as vacas no Virei no matraquear dos
teares da Textang no correr da linha na máquina
de costura do alfaiate

A poesia anda por aí

Na lavagem da roupa à beira-rio no deslizar da
canoa chimbicada*** na luz trêmula do candeeiro
de petróleo

A poesia anda por aí

Nos caminhos de pé posto no roncar das camionetas
no no asfalto das estradas no reboar das águas
na barragem de Cambambe

A poesia anda por aí

No alvejar do algodão na Baixa de Cassange nos
clarões do gás queimado na baía da Cabinda no
reluzir dos peixes de Moçâmedes e da Baía Farta

A poesia anda por aí

No primeiro grito dos recém-nascaidos nas maternidades
ou nos quimbos**** adormecidos

A poesia anda por aí

Na morte de cada soldado chame-se Gika ou mal
tenha nome que se decore

A poesia anda por aí

No rosear das mangas no amarelecer das banana
do Cavaco no açucarar das laranjas do Loje

A poesia anda por aí

No faiscar dos diamantes no escorrer do minério
 no porto do Saco nos graves movimentos dos guindastes
dos cais

A poesia anda por aí

No hábil talhar a madeira do escultor quioco nos
trilos das marimbas do Duque de Bragança nos
"pintados" das cabindas

A poesia anda por aí

Na força dos homens na abnegação das mulheres
nos olhos abertos ao futuro das crianças

A poesia anda por aí

Coleando entre as sanzalas e as ruas das cidades
no meio do povo nos utensílios e na maneira como
são segurados

A poesia anda por aí

Silenciosa mas viva esplêndida maravilhosa na harmonia
das coisas e dos seres que as utilizam

A poesia anda por aí

Buscando uma voz uma rima uma página de papel
ou o acetato dum disco

A poesia anda por aí

A poesia anda por aí

Ó poetas de Angola
Ó poetas da Angola de hoje|
Segurai a poesia que anda por aí

E fazei dela um fachoa ardente de Esperança
e de Vontade
A Esperaná e a Vontade dum povo que busca a Liberdade

 

 

*musseques favelas
**sanzala - aldeia.

***chimbicada — "canoa chimbicada" longa.

***8quimbo — aldeia.

 

Página publicada em janeiro de 2016


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar