Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

 

CRIADOR DE MIM

 

MIRANDA, Antonio.  Criador de mim.  São Pedro de Alcântara, SC: Edições Nephelibata, 2012.  53 p.  14x20,5 ilus. col.  Capa e ilustrações de Roland Grau. Sobrecapa. “Orelha” escrita por José Fernandes.  Tiragem: 69 exemplares, numerados de 01 a 69, em fonte Georgia (poemas) e Book Antique (títulos), em papel Bod 90 grs, micro-cotelê 180 grs, (folha de guarda) e capa em Pergaminho 230 grs, sobrecapa em cartão de 400 grs, confeccionados artesenalmente pelo editor Camilo Prado.

 

Vejam também o e-book:  http://issuu.com/antoniomiranda/docs/criadordemim?mode=window

 

 

Comentário:

A poesia surpreende! Grita dentro do poeta, dentro do eu que não se contenta com a condição de ente. A poesia obriga o poeta a abandonar a condição de objeto, de coisa feita, para se fazer e refazer-se em linguagem, para se substantivar, porque não basta nascer, não basta pertencer à humanidade, sendo homem; é preciso conquistar o humano, chegar ao sublime; e isso só é possível criando-se, recriando-se, convertendo-se em linguagem, pronunciando-se e conjugando-se em verbo, em palavra segunda-primeira. Essa necessidade metafísica, semelhante à deusa temida da mitologia grega, a ponto de Zeus curvar-se perante ela, sentimo-la nos poemas de Antonio Miranda, já a partir do título, Criador de mim, porquanto o ser lírico, na profundidade de quem se quer realmente humano e sublime, recria-se, sopra sobre si um novo logos. Mas, não se trata de um criar-se instantâneo; sim, da constituição da imatéria que é matéria, porque procura e achamento que envolvem o outro lado do ser, a sua dimensão metafísica.

O mais estranho nessa poética do criar a si mesmo, no entanto, reside exatamente no sopro e no objeto. O sopro seria o metafísico, o aparentemente contraditório da acão de ser criador de si mesmo. O objeto, o barro, em sua profunda simplicidade, reconstrói-se em imagens aparentemente reais, compostas em uma linguagem que se mostra com todos os is, como se denotativa fosse. Assim o sentimos ao lermos os versos Partes de mim eu não admito./ Escondo, extirparia com um bisturi, pois a imagem parece sair do espelho e ferir quem a vê e a lê. Entretanto, o poeta dá a receita, revela o sagrado ato de compor-se, pois a palavra, no poema, é múltipla. Por isso, Toco a lira de Pilatos, lavo as mãos/ como Nero, nas Sagradas Escrituras/ busco os segredos, os degredos, os medos./ Palavras. A retomada do sagrado, tão intensamente estudado atualmente, revela o como criar-se, o como ser criador de si: a Palavra.
[JOSÉ FERNANDES, da Universidade Federal de Goiás]

Extraído de: http://edicoesnephelibata.blogspot.com.br/p/poesia.html

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar