Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Fonte: www.germinaliteratura.com.br



PAULO FRANCHETTI


Paulo Franchetti é professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Publicou, entre outros livros, os ensaios Alguns Aspectos da Teoria da Poesia Concreta (Campinas, 1989) e Nostalgia, Exilio e Melancolia - Leituras de Camilo Pessanha (São Paulo, 2001); a edição crítica da Clepsydra, de Camilo Pessanha (Lisboa, 1995); as antologias Haikai (Campinas, 1990) e As Aves que Aqui Gorjeiam - A Poesia do Romantismo ao Simbolismo (Lisboa, 2005); e a novela 0 Sangue dos Dias Transparentes (Cotia, 2003).

 

 

De

OESTE
Trad. para o japonês H. Masuda Goga
São Paulo: Ateliê Editorial, 2007.  157 p

ISBN 978-85-7480-389-0

 

 

“Quanto a mim, nem sempre reconheço, num terceto, rimado ou não, espirituoso ou plano, que se apresente como haicai, o direito de usar o nome. Sinto que estou perante um texto de haicai apenas quando reconheço nesse texto uma dada disposição de espírito, uma atitude frente ao mundo e à linguagem que conota uma estratégia específica de composição e de recepção do poema.”  (...) “E a novidade que o haicai oferece a um ocidental, de meu ponto de vista, é o fato de ele ter por objetivo não a beleza da imagem ou da combinação dos sons, mas o registro ou o despertar de uma percepção muito ampla ou intensa nascida de uma sensação. Esse me parece o núcleo da forma do haicai.”

 

“Por isso tudo, o bom texto de haicai, o mais interessante, em minha opinião, é aquele que consegue, com o mínimo, obter apenas o suficiente. Fazendo da modéstia e do despojamento valores centrais, o haicai que se aprende com a leitura dos mestres japoneses não se satisfaz na exibição de virtuosidade técnica ou capacidade de associação brilhante. Pelo contrário, é um texto que se limita voluntariamente a apenas situar uma dada percepção sensória, objetiva, num campo maior de referências (objetivas ou subjetivas) onde ela ganhe sentido e componha um quadro único; um texto que traz para o leitor

a presentificação de um instante como algo inacabado, aberto, um esboço ou um diagrama do choque entre a sensação fugaz e irrepetível e seu longo ou profundo ecoar nas diversas cordas da sensibilidade e da memória.”  PAULO FRANCHETTI

 

Conhecia Paulo Francheitti de leituras de sua obra sobre o concretismo, lançado por ocasião do cinqüentenário do movimento. Agora me surpreendo com este livro de haikais, em que se posiciona numa postura estética esclarecida, que vale a pena ser analisada e compreendida.” ANTONIO MIRANDA

 

 

 

PRIMAVERA  (HARU)

 

Na tarde abafada,
Só a voz de uma galinha
Que botou um ovo.

 

 


VERÃO  (NATSU)

 

Com que certeza
Voam todas para oeste,
Garças desta manhã.



***

 


Tarde de verão  -

Uma nuvem solitária
Chovendo no vale.

 


 

OUTONO   (AKI)

O outono chegou —
Mais distantes e azuladas
As mesmas montanhas.




INVERNO  (FUYU)

 

Manhã de frio.
Se fosse menino escrevia
Meu nome no vidro>



***

 

 

Sob a névoa fria,
O cemitério da vila
Cercado de ciprestes.




NO CAMPO, NO ANAO NOVO
(Shin nen o den em nite)

 

Quando me canso da paisagem
Do leste, viro a cadeira

Para oeste.

 

 

 

De
Paulo Frnachetti 
Memória futura
Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2010.   57 p


 

No LIMITE da vida.

Na beirada.

O mar transborda de peixes.

O céu se curva com o peso das estrelas.

O canário canta.

Dentro, a água borbulha,

O chá cresce na xícara.

Movem-se na noite

Antenas, intestinos.

O pulso sobe.

O eco nos ouvidos.

As ondas turvas

Esbarram na soleira,

 

Rodeiam a pedra recortada e limpa.

O coração palpita.

Quem diria o esforço

Contra o dia do juízo?

Quem recusaria a prece,

Ainda que certa

A condenação?

 

 

COM CINQUENTA anos, um homem

Começa a se esquecer.

Crê que se recorda, busca

Imagens do passado.

Elas comparecem tímidas,

Depois, como parentes,
Habitam a casa.

Lembranças de lembranças, truques.

' Nem mesmo o álbum de fotografias.

A tv espalha seu reflexo.

O sofá muda de cor.

Os documentários:

A guerra, a vida animal.

Blocos soltos de luz,

Os dias separam as noites.

Cinquenta anos: uma assombração

Entre fantasmas.

 

 

 

 

 

 

Página publicada em janeiro de 2010


 


 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar