Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
HAICAI – HAIKAI – HAIKU

ALUISIO DE AZEVEDO

 

Aluísio Azevedo (1857-1913) foi um escritor brasileiro. "O Mulato" foi o romance que iniciou o Movimento Naturalista no Brasil. ... Aluísio Azevedo (Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo) nasceu em São Luís, Maranhão, no dia 14 de abril de 1857. Em 1871 matriculou-se no Liceu Maranhense e dedicou-se ao estudo da Pintura.

A obra denunciava o preconceito racial existente na burguesia maranhense e provocou uma reação indignada da sociedade, que se viu retratada nos personagens, mas o livro foi um sucesso de vendas.

No dia 7 de setembro de 1881, Aluísio Azevedo volta para o Rio de Janeiro decidido a se dedicar à vida de escritor. Publicou inúmeros contos, crônicas, romances e peças de teatro, nos folhetos dos jornais da época, na maioria obras de feição romântica, cujos enredos conduziam ora a tragédia ora ao desenlace feliz, entre eles: “Memórias de Um Infeliz” (1882) e “Mistério da Tijuca” (1882).   Mais em: /www.ebiografia.com

 

GUTTILLA, Rodolfo Witzig.  Haicais tropicais. São Paulo: Boa Companhia, 2018.  168 p.   14 x 21 cm   N. 978-85-65771-16-0   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

         Nobunaga

         Se o melro não canta,
Mando-o eu matar!

 

         Taiko-Sama

         Se não canta o melro,
Falo-lo-ei cantar!

 

         Tokugawa

         Se o melro não canta,
Não vai a matar!
Espero que o melro
Se ponha a cantar.

 

E um soneto:

Pobre amor

Calcula, minha amiga, que tortura!

Amo-te muito e muito, e, todavia,

Preferira morrer a ver-te um dia

Merecer o labéu de esposa impura!

 

Que te não enterneça esta loucura,

Que te não mova nunca esta agonia,

Que eu muito sofra porque és casta e pura,

Que, se o não foras, quanto eu sofreria!

 

Ah! Quanto eu sofreria se alegrasses

Com teus beijos de amor, meus lábios tristes,

Com teus beijos de amor, as minhas faces!

 

Persiste na moral em que persistes.

Ah! Quanto eu sofreria se pecasses,

Mas quanto sofro mais porque resistes!

 

 

Página publicada em dezembro de 2018

 

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar