O SENTIDO OU O SIGNIFICADO DO POEMA - EDITORIAL - www.antoniomiranda.com.br
Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O SENTIDO OU O SIGNIFICADO DO POEMA...

Editorial de ANTONIO MIRANDA

 

        Sei não... Sinceramente, creio que não cabe ao poeta interpretar e justificar o “próprio” poema, embora muitas vezes pretenda interpretar o poema alheio.
O poeta Lucas Viriato, diretor do jornal literário plástico bolha – poesia agora, incluiu o poema DNA, de minha autoria, na edição n. 39, Ano 13, na edição impressa e virtual — instagram: @jornalplasticobolha —, em abril de 2018. Enviou-me, pelo correio, um pacote de exemplares para distribuir. Aproveitei a cerimônia de lançamento da VIII Coletânea Século XXI – Homenagem aos poetas Anderson Braga Horta e Antonio Miranda, da PoetArt Editora, dirigida por Jean Carlos Gomes, no Estado do Rio de Janeiro, na Associação Nacional de Escritores — ANE, em Brasília, para deixar alguns exemplares à vista durante a cerimônia, disputados pelos participantes do evento.


Meu amigo Anderson, com fina ironia, parecia esperar, de mim, uma “explicação” quando uma jovem demonstrava alguma surpresa com o inusitado do poema visual em meio a uma quantidade considerável de poemas textuais em seu entorno... Anderson Braga Horta é um merecido Prêmio Jabuti, por sua poesia, e se autodenomina afiliado, não necessariamente afilhado à Geração de 1945, que reagiram criativamente ao Modernismo de 1922 e, sobretudo, aos poetas concretistas do final dos anos 50 do século passado.

        Manuel Bandeira reagiu positivamente à proposta da Poesia Concreta, à verbivocovisualidade dos irmãos Campos e Décio Pignatari, e chegou até a exercitar algum poema visualizante, embora  na linha mais próxima da ideogramação dos caligramas, “desenhando com letras”, modernidade suspostamente inaugurada na antiguidade por Simias de Rodes com o célebre poema “O OVO”. 

Outra reação, mais crítica que criativa, foi o arquipoeta João Cabral de Melo Neto, contemporâneo de modernistas e concretistas, que extrapolou o cordel em seu livro Morte e Vida Severina, namorou mas não se filiou ao Modernismo e com o Surrealismo, numa criação poética independente.

        Nunca me perguntei, antes, “como” criei o poema DNA e outros associados à poesia visual, aos poemas animaverbivocovisuais, videopoemas, etc. Quem pretendeu dar uma resposta à questão foram o poeta e crítico José Fernandes, em livro* e o pesquisador Valter Gomes Dias Júnior  em sua tese de doutorado**.

        Quem deve realmente interpretar o poema é o leitor, e a interpretação nem sempre é coincidente com a do autor.

A PARTIR DA FAMOSA TRÍADE SEMIÓTICA: SIGNO - INTERPRETANTE - SIGNIFICADO.

Quando comecei a divulgar o “poema” CREDO — pintado em tela pelo artista Zenilton Gayoso — uma pessoa, diante da obra numa exposição, me disse : “Lindo! O credo em forma de cruz!”.  Uma segunda pessoa reagiu negativamente: “Cruz credo!!!”

 

Talvez o autor se pergunte qual o sentido, que motivação o levou à criação. No meu caso, “desenhando “ mallarmaicamente, ou na intenção de Apollinaire, o poema, eu intuitivamente estivesse buscando um sentido para a palavra DNA que inscrevia, ou “arquitexturava”... Indo às origens da palavra, eu me divertia reconhecendo a figura de ADAN, pretensamente nosso primogênito ancestral bíblico. Ou, mais explicitamente, NADA, bustrofedicamente... Metaforicamente, ou dialeticamente, criativamente, o poema é o “ser sendo” do poeta...

        E as três linhas cruzando-se no espaço... Uma tríade visual, terceto.. Poemeto. Prometo evitar continuar... Pra mode.. Pode? Quem não pode se sacode...  Palavra puxa palavra.

 

*FERNANDES, José.  Poesia e ciberpoesia. Leitura de poemas de Antonio Miranda.  Goiânia, GO: Editora Kelps, 2011.   170 p.  ilus. col.  16x22,5 cm.

**DIAS JUNIOR, Valter Gomes. A poesia de Antonio Miranda e suas intersemioses. João Pessoa, PB: Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Pós-graduação em Letras, 2014.  268 p. Tese de doutorado defendida com Louvor.

 

 


 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar