Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Clique Aqui


FESTIVAL DE POESIA DE GOYAZ

do visível ao invisível, do erudito ao popular  

ANTONIO MIRANDA

 

A cidade de Vila Boa de Goiás, terra da poetisa Cora Coralina, agora Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, recebeu os amantes da Poesia, de 23 a 26 de março de 2006, com palestras, oficinas, leituras, performances, exposições e concertos em diferentes espaços, simultaneamente. Poetas, críticos e leitores vieram de diferentes partes do Brasil, convocados pelos organizadores Adalberto Müller e Graça Mello, com o patrocínio do Ministério da Cultura, da Universidade de Brasília e de uma ampla gama de instituições internacionais, nacionais e estaduais (ver em www.goyaz.unb.br ).

Grandes estrelas da poesia como Affonso Romano de Sant’Anna, Fabrício Carpinejar, Alice Ruiz, Ricardo Aleixo; alguns membros da Academia Brasileira de Letras como Ivan Junqueira; poetas, críticos e compositores como Antonio Cicero, Alice Ruiz e nomes como Gilberto Mendonça Teles, Nicolas Behr, Vera Americano, Miguel Jorge e Heleno Godoy, entre outros, lançaram livros, assinaram autógrafos, para uma multidão de admiradores. Houve de tudo — palestras eruditas, discursos inflamados, rabugices e tietagens, aplausos e protestos, com o ponto culminante do magnífico concerto de Gustavo Tavares com Bach e arranjos bachianos de Pixinguinha, Cartola e Luiz Gonzaga.

O grande homenageado do evento — o poeta Manoel de Barros —, ausente por problemas de saúde, foi representado pelos filhos. No teatro houve a entrega dos prêmios do Festival aos vencedores do concurso nacional (entre eles, o nosso Salomão  Sousa). As sessões sempre lotadas, tanto no teatro principal quanto na Casa de Cora Coralina, na Casa da Fundição, na UEG e em outros locais.  

Não gostaria de ficar no nível do registro de ocorrências, no fabulário das excentricidades, no frenesi das mesas redondas, dos encontros nos bares e nos comentários dos corredores. Tudo é válido para entender o fenômeno da mobilização que levou tanta gente ao encontro de Goyaz, tantos autores, editores, livreiros, críticos e leitores de poesia.

Recorro ao mestre Jorge Tufic para entender o fenômeno: “ Um verdadeiro deslanche. Grafites, murifestos, sem compromisso, alternativos, marginais, entre outros, lançaram o maior desafio”. Sem dúvida, foi o que aconteceu. O texto de Tufic, referente à poesia brasileira em geral, vale para tentar entender a diversidade das propostas, das abordagens, dos formatos, das posturas que conformam um encontro como o de Goyaz. Os critérios de seleção de convidados — acadêmicos, alternativos, vanguardistas, visuais — acabaram compondo um painel de diversidade da criação poética. Tarefa impossível, mas a amostragem resultou significativa (para evitar o termo “representativa”).

Recorro, outra vez, ao crítico e poeta Jorge Tufic: “ O que é poesia, afinal? Síntese de música e palavra? Tropicália ou tropicalismo? Pau-brasil? Independentes, marginais, alternativos, cósmicos, pelados, cabeludos — que nomes sugerem ou exprimem corretamente a aproximação de um sismo ou a morte de um ismo?”. No Festival de Goyaz teve de tudo um pouco.  Mas havia um caminho reverso, entre os freqüentadores  espontâneos, que distribuíam e vendiam seus livros, que faziam recitais ao ar livre — nas escadarias das igrejas, nos bares e casas noturnas, criando espaços para outras vozes e tendências. Nem sempre “consideráveis” pela crítica.

Tufic recorre a Ezra Pound para explicar as diferentes classes de pessoas no processo poético: Os inventores que descobrem processos novos, os mestres que sedimentam tais processos e os diluidores que multiplicam e disseminam as realizações dos anteriores. Ou seja, “Pode-se ver, também, que para um grande poeta surgir, devia ser preciso que milhares de outros poetas estivessem produzindo e fazendo experiências.” Deve haver espaço para todos.  

Isso tudo para chamar a atenção para o confronto entre os eleitos que estavam no palco brilhando como estrelas e a enorme platéia constituída por outros poetas e críticos, por professores e estudantes de literatura, assim também por curiosos e leitores de poesia. Muitos deles, como diria Tufic, também “brincando de poeta”. Muitos dos que se apresentaram nos entreatos não seriam convidados ao palco, mas também tiveram sua “hora e vez” no festival e certamente a experiência foi tanto ou mais importante para eles quanto para os poetas do pódio.

Concluindo, houve um programa oficial com autores e temas. Do outro lado, o público assistia e aplaudia os convidados. Mas houve também um movimento espontâneo, graças ao formato aberto do festival, que possibilitou atividades externas, nos espaços mais populares. Muitas pessoas nem chegaram a freqüentar as sessões oficiais e nem todos os poetas saíram aos espaços públicos.  Mas isso tudo legitima o primeiro Festival de Poesia de Goyaz.

Resta saber se, dentre os “diluidores” podem surgir,  quando não os “mestres” (o que é menos provável), pelo menos “inventores” capazes de abalar e possibilitar desdobramentos. Custa acreditar que os “diluidores” serão invariavelmente imitadores e repetidores sem nenhuma capacidade transformadora. Partes de um mesmo processo, devem influenciar-se uns aos outros — e um festival é uma oportunidade para disseminar modelos. Como acontece com o futebol, as elites se sustentam na dinâmica das massas de praticantes. No futebol vale o primado da “qualidade pela depuração da quantidade”, por emulação e competição.  Não é aceitável que, no caso da poesia, o movimento só aconteça de cima para baixo.

Muitos dos poetas do Festival já estão em nosso PORTAL DE POESIA IBERO-AMERICANA. Confiram: http://www.antoniomiranda.com.br/Portal_poesia_ibero/PORTAL_POESIA_IBERO_INDICE.htm

Clique Aqui


Clique Aqui
Voltar para Editorial Voltar para o topo da página Voltar para Editorial

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar