Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

BALTASAR ESTAÇO

 

 

Padre Baltasar Estaço (1570-16--?) nasceu em Évora e foi cónego da Sé de Viseu. Dedicou-se à poesia e à filosofia escolástica. Por motivos desconhecidos, foi processado pela Inquisição e preso em Julho de 1614. Sabe-se que esteve preso em Coimbra em 1616, onde se tentou suicidar, sendo transferido para Lisboa no ano seguinte. Em 1620 é condenado a prisão perpétua, mais é libertado em 1621 com a condição de não voltar a Viseu. Publicou, a pedido de D. João de Bragança, bispo de Viseu, a obra Sonetos, Éclogas e Outras Rimas (Coimbra, 1604), onde glorifica vários santos e condena as vaidades do mundo num estilo em que ele próprio se propõe dar o exemplo de humildade, mas que é sobretudo feito da exploração teológica dos paradoxos e da coincidentia oppositorum no amor a Deus. Deixou diversas obras manuscritas.

Biografia extraída de   

http://alfarrabio.di.uminho.pt/

 

 

 


AO NASCIMENTO DE JESUS

 

Amor sublime, eterno, incompreensível,
Amor que o torpe amor converte em puro,
Amor que ao duvidoso seguro,
Amor que tudo vê, sendo invisível;

 

Amor que faz suave ao insofrível,
Amor que mostra claro o que era escuro,
Amor que faz mais brando o que é mais duro,
Amor que facilita ao impossível.

 

Amor que tudo vence e tudo apura,
O homem com seu Deus pacificando
Quis que este Deus ao homem ajuntasse,

 

E junto o Criador com a criatura,
Que a criatura em Deus ficasse amando
E Deus nas criaturas sempre amasse.

 

 

AMOR QUE TUDO VÊ, SENDO INVISÍVEL

 

Amor que faz suave ao insofrível,

Amor que mostra claro o que era escuro,

Amor que faz mais brando o que é mais duro,

Amor que facilita ao impossível;

 

Amor que tudo vence e tudo apura,

O homem com seu Deus pacificando

Quis que este Deus ao homem se ajuntasse,

 

E junto o Criador com a criatura,

Que a criatura em Deus ficasse amando,

E Deus nas criaturas sempre amasse.

 

 

 

A NOSSA SENHORA AO PÉ DA CRUZ

 

Por nossa culpa está Virgem sagrada,

Em vossos braços morta a mesma vida,

A luz resplandecente, escurecida,

A glória soberana, atormentada.

 

Por ela a inocência está culpada,

A saúde geral desfalecida,

A potência suprema destruída,

A majestade está desamparada.

 

Mas só a piedade em que se cura

A culpa, e que me a mim tanto conforta,

Da culpa não foi morta nem cativa,

 

A piedade em vós tenho segura,

Pois quando Deus mostrou que estava morta,

Mostrastes vós que estava em vós mais viva.

 

 

 

À MORTE DE CRISTO

 

Aqui onde venceu a morte à vida,

Aqui vencido tem a vida à morte,

Aqui onde subiu mais alto a morte,

Aqui a fez descer mais baixo a vida.

 

Aqui onde matou a morte à vida,

Aqui morta deixou a vida à morte,

Aqui onde se viu mais dura a morte,

Aqui também se vê mais forte a vida.

 

Por que pudésseis dar tão alta vida,

Quisestes padecer tão baixa morte,

Assim que em vossa morte, tenho vida,

 

Pois sendo vossa a vida, e vossa a morte,

Com vossa vida, compro a doce vida,

Com vossa morte pago a dura morte.

 

 

 

A CRISTO NA CRUZ

 

O bem que a tantos bens me convidava,

O qual desmereci, vós merecestes

Que a vida que por meu amor perdestes,

A vida me alcançou que eu desejava.

 

O mal que a tantos males me obrigava,

O qual não satisfiz, satisfizestes,

Que a morte que por meu amor sofrestes,

Da morte me livrou, que eu receava.

 

A vós Deus amoroso, a vós só amo,

De vós pratico, só, de vós escrevo,

Por vós a vida dou, e a morte quero,

 

Em vós fogo de amor, em vós me inflamo,

Pois que pago por vós o mal que devo,

E mereço por vós, o bem que espero.

 

 

 

 

DA SAUDADE DO CÉU

 

Tão alta glória é, tão deleitosa

Aquela por quem vivo e vou morrendo,

Que a pena que por ela estou sofrendo

Por sua causa só fica gostosa,

 

E sendo a saudade tão penosa,

No gosto desta pena estou vivendo

E toda a outra glória vou perdendo,

Por sentir esta pena tão saudosa.

 

Toda a glória na terra é transitória

Mas tem a que é de Deus tal qualidade,

Que a pena de faltar por glória ordena.

 

Na saudade sinto tanta glória

Que esta gostosa mágoa da saudade

Bastante prémio é de toda a pena.

 

 

       
A UM IRMÃO AUSENTE

Dividiu o amor e a sorte esquiva
em partes o sujeito em que morais;
este corpo tem preso onde faltais,
esta alma onde andais anda cativa.

Contente na prisão, mas pensativa,
porque este mal tão mal remediais,

        que vós comigo lá solto vivais,
e eu sem mim e sem vós cá preso viva.

Mas logrei desse bem quanto lograis,
que eu como parte vossa o estou logrando
e sinto quanto gosto andares sentindo;

        cá folgo, porque sei que lá folgais,
porque minha alma logra imaginando
o que lograr não pode possuindo.



Página publicada em junho de 2020


 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar