Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

POESIA SURREALISTA PORTUGUESA

 

ARTUR DO CRUZEIRO SEIXAS

 

Cruzeiro Seixas, de nome completo, Artur Manuel Rodrigues do Cruzeiro Seixas (Amadora, 3 de Dezembro de 1920) é um "homem que pinta" (a designação de pintor aborrece-o1 ) e poeta português.

Frequentou a Escola António Arroio, onde fez amizade com Mário Cesariny, Marcelino Vespeira, Júlio Pomar e Fernando Azevedo. Em meados da década de 1940 aproxima-se do neorrealismo, de que se afasta quando adere aos princípios do surrealismo. Juntamente com Mário Cesariny , António Maria Lisboa, Carlos Calvet, Pedro Oom e Mário-Henrique Leiria, entre outros, integra o grupo Os Surrealistas, resultante da cisão do recém formado movimento surrealista português. Participa na exposição desse grupo em 1949 (1ª exposição dos Surrealistas, Lisboa).

Em 1950 alista-se na Marinha Mercante e viaja até África, Índia e Ásia. Em 1951 fixa-se em Angola, desenvolvendo atividade no Museu de Luanda. Data desse tempo o início da sua produção poética 3 . Realiza as primeiras exposições individuais, que levantam um acalorado movimento de opinião (a primeira de desenhos sobre a evocação de Aimé Cesaire, em 1953; a segunda principalmente de «objectos» e «colagens», 1957). Regressa a Portugal em 1964. Recebe uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian em 1967. Nesse mesmo ano realiza uma pequena retrospetiva na Galeria Buchholz (com folha volante de Pedro Oom e prefácio de Rui Mário Gonçalves) e expõe na Galeria Divulgação, Porto. Em 1970 expõe individualmente na Galeria de S. Mamede, Lisboa, um conjunto de desenhos "de uma imagética cruel, ilustrações possíveis de Lautréamont".

Trabalha como programador nas Galerias 111 e S. Mamede, Lisboa. Viaja pela Europa; entra em contacto com membros do surrealismo internacional. Radica-se no Algarve na década de 1980, trabalhando como programador de diversas galerias. Colabora em revistas internacionais ligadas ao surrealismo, a que sempre se manteve fiel.  O traço certeiro de Cruzeiro Seixas, "de limites apurados e atmosferas de vertigem […] edifica um mundo desolador em que a face onírica e literária não esconde a violência do conjunto, destruindo toda a possibilidade de quietude". Mas essa noite primordial e inquietante "soube coexistir com paisagens mais ligeiras e felizes, como algumas das pintadas nos anos de Angola, e com citações plásticas da história da arte, num jogo de grande prazer plástico, bem como com objetos dotados de flagrante poética, na sua simplicidade de materiais, de técnicas e no sobressalto imaginativo".   Fonte: wikipedia

 

Rosa-chá adormecida numa nuvem
fazia de porta-doida
entre o Vento e o Espaço.

Estendia-se a mão
e havia sempre uma asa disponível
da cor do arco-íris
cega surda e muda.

Recomeçava então o movimento
como um cavalo líquido
como um tapete adormecido nos teus ombros
como uma catedral em forma de torneira gótica
e assoreamento dos sonhos mais macerados.

E o horário periférico
veia-tendão-sangue-derramado
pulsação em forma de borboleta em Espanha
reinventava eternamente
a vida.

 

 

Eu vi-o ouvi-o

a juntar todo o azul

antes de termos a idade de países muito antigos

ao luar.

 

Um doido pendurado de uma árvore

é um tipo que nunca aprenderá.

 

Mas eram esses que me mantinham a par de tudo

e não serei eu a acusar a neve

de adormecer sobre nós.

 

Coisas como as madrugadas                   

ou a fortaleza invadida pelo tempo

ou a mão cercada por todos os garfos desta cidade

olhadas pelos gatos como simples máscaras

nunca passaram incógnitas

por esta infinita galeria de espelhos.

 

 

 

Um olhar furtivo

por certo sabiamente encaixotado

procura-te por toda a parte

e é África que responde por ti

lá do ponto mais perigoso do labirinto

onde nem o Minotauro vem

aquecer com o seu bafo

o teu tiritar convulsivo.

 

São as tuas pernas que falam

a tua mão os cabelos

o silêncio desferido contra o Nada.

Tudo o que narra o Apocalipse                        

os que vêm de longe erguer ainda mais uma vez

a arruinada torre sobre o vulcão activo do nosso desejo

em forma de harpa

na outra margem tangida.

 

Nas extensas praias da foz

cada bago de areia era uma palavra

a que não sabíamos responder.

 

 

 

Era um pássaro alto como um mapa

e que devorava o azul

como nós devoramos o nosso amor.

 

Era a sombra de uma mão sozinha

num espaço impossivelmente vasto

perdido na sua própria extensão.

 

Era a chegada de uma muito longa viagem

diante de uma porta de sal

dentro de um pequeno diamante.

 

Era um arranha-céus

regressado do fundo do mar.

 

Era um mar em forma de serpente

dentro da sombra de um lírio.

 

Era a areia e o vento

como escravos

atados por dentro ao azul do luar.

 

 

 

Página publicada em janeiro de 2014

 

Cruzeiro_Seixas_1_Estudo_para_futuros_encontros_1954.jpg (500 × 434 pixels, tamanho: 116 kB, tipo MIME: image/jpeg)


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar