Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



ANTÓNIO JOSÉ QUEIRÓS 


Nasceu em Vila Meã, na região de Amarante, Portugal, no dia 4 de maio de 1954. Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Foi fundador e diretor das revistas literárias  Cadernos do Tâmega (1989-1995), Anto (1997-2000) e Saudade (em curso de publicação desde 2001).

É autor dos livros Memória do Silêncio (1ª edição, 1989; 2ª edição, 1994) e Os Meninos e Outros Poemas (1993). Tem colaboração em revistas de Portugal, Espanha, França, Itália e Brasil.  É membro da Associação Portuguesa de Escritores e e da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

“Tendo aprendido com alguns dos nossos melhores poetas, do simbolismo ao modernismo e seu avatares contemporâneos, a lição de contenção e da limpidez verbal (pensamos num Eugénio de Andrade), Antonio José Queirós revela, na sua ainda breve mas promissora obra, uma rara sapiência da essencialidade do fazer poético, que nestes tempos de recaída na inflaccção retórica o singularizam, até pela sua postura discreta, ao arrepio das promoções espetaculares em voga.” 

José Augusto Seabra


A DIVINA IMPERFEIÇÃO

 

Caminho sem pressa pelas veredas

de um labirinto que parece não ter fim.

Ouço o som dos meus passos solitários

e sinto as fragrâncias de um jardim que se perdeu.

Entre ser livre ou ser feliz, escolhi

a liberdade de construir outro destino.

Sei agora que a minha vocação

é o silêncio íntegro das sementes

em campos tranquilos e lavrados.

É tarde. Do pó vim, ao pó quero regressar,

liberto, enfim, da geometria cruel do labirinto.

Dia após dia, procuro a secreta passagem

para a morada longínqua do mundo inicial.

Se Deus projectou em mim a sua imagem

em mim negou a sua divina perfeição.  
 


De

MEMÓRIA DO SILÊNCIO

3.a ed. Amarante: Labirinto, 2007 

 

I

 

Quando te chamo

o teu nome é mais azul.

 

Sorris como quem espera

as promessas que chegam

penduradas no Verão.

 

Vens como as gaivotas

vestidas de branco

e cheias de maresia.

 

II

 

O meu caminho

são todos os teus passos.

 

Sigo-os serenamente

como as aves que regressam

à inocente luz do sol.

 

Nas minhas mãos levo rosas,

tímidas rodas por abrir,

e palavras de amor escondidas

no rumor branco do silêncio.

 

 

III

 

Procuro nas fontes

o sabor da tua sede.

 

Sou como a ave renascida

voando para o azul

que nunca conheceu.

 

Vou descalço, peregrino

à espera do milagre.

 

 

IV

 

É entre o silêncio da bruma

e o verde rumor das algas

que o meu olhar se demora.

 

O horizonte é um barco

que navega para ti.

 

Amar é descobrir.

 

 

XXXI

 

Aos domingos, a minha tristeza

passeia com a tua ausência.

 

Sinto a amargura

de um barco encalhado

 

a solidão

de uma praia quando chove.

 

Quero ir mais além

mas o caminho não tem fim.

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2008, por indicação de Aricy Curvello.



Voltar para a Página de Portugal Voltar para o topo da Página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar