Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

MARCOS SISCAR

 

 

Nasceu em Borborema (SP), em 1964. Formado em Letras pela Universidade Estadual de Campinas, doutorou-se em Littérature Française na Universidade de Paris VIII, em 1995, e conclui o pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em 2003. Professor de Teoria da Literatura na Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de São José do Rio Preto. Como tradutor, publicou obras de Tristan Corbière, Michel Deguy e Jacques Roubaud, entre outros.

 

Bibliografia: Não se Diz, Editora7 Letras, 1999; Tome seu café e saia, Editora7 Letras, 2001, Metade da Arte, Editora Cosac & Naify/7 Letras, 2003; e O Roubo do Silêncio, Editora7 Letras, 2006. Tem textos publicados em antologias no Brasil, Argentina, Espanha e França.

 

Siscar, ao trabalhar com palavras, atinge o estágio de uma “pedra afiada”, ou seja, tem a rigidez de uma obra consolidada e mantém a sua capacidade de desafio constante, como o aço frio de um punhal pronto a nos lembrar que somos humanos.

Oscar D’Ambrosio

Página constrída por Salomão Sousa; publicada em agosto 2007.

 

 

TEXTOS EM PORTUGUÊS  / TEXTOS EN ESPAÑOL

 

Marcos Siscar

De
Marcos Siscar
INTERIOR VIA SATÉLITE
 São Paulo:  Ateliê Editorial, 2010. 104 p.
ilus.  form. 18 X 27 cm. 
ISBN 978-85-7480-470-5 
Edição bem cuidada, de qualidade!


Marcos Siscar é um nome estabalecido na nova poesia e cada livro dele é uma renovação nos caminhos que esta poesia ganha entre nós. Quem comenta é o poeta e crítico Armando Freitas Filho: "A novidade, agora, é que o geólogo de antes e de sempre mostra as asas, até então apenas sugeridas, e a vista de longo alcance de sua aeronave"  como a sugerir que a evolução do poeta o liberta das amarras do formalismo para uma fruição verbal mais espacial e livre, que deixa passar o lirismo, em que "varia e revela os significados refletidos nessas refrações".  Ou seja, a mão o poeta "que escreve e colore os sentidos e a sensação semovente da poesia recolhida em Interior Via Satélite". Supera o hermetismo e o pavor pelo discurso inteligível para satelitar sobre sensações mais topográficas e reconhecíveis, sem optar pelo óbvio e o banal. Jamais."  A. M.

Dentro dos estreitos limites da nossa lei do direito autoral (que está no momento sendo revista para atender aos reclamos do direito universal ao conhecimento e à cultura, compartilhando no espírito mais justo do "fair use", onde todos vão ceder e todos vão ganhar... Sem formação de leitores não lugar para a indústria editorial...) vão aqui dois exemplos, dentre os mais curtos:

 

JORGE DE LIMA SE FAZ POETA

jorge viu de cima o sobrado da família lima
viu o imenso panorama da serra da barriga
viu quilombo de palmares olarias e usinas.
o interior entrava pelos olhos da sanha nordestina.
que interior é esse que entra sempre pelos olhos?
que destino é esse de onde se deixa a mata espessa?


A VIDA SEM ANTI-SPAM

emagreça dormindo e sem dieta. pare de fumar
fumando. veja como é fácil. elimine o mau hálito
impotência nunca mais. aumente seu p. seduza
com 75% a mais de eficiência. 25% de desconto
100% jesus. tem alguém traindo você. veja como
é fácil. fale inglês sonhando. seu dinheiro de volta
sem juros. tudo 12 vezes em segundos livros cremes
viagens a cabo. nada de amadoras. venha paixão
é tão fácil gostar de gostar de coisa e tal. não tenha medo.
cobrimos a concorrência eu de midas onde a vida
enfia o dedo

 

 

====================================================

 

A EUGENIO MONTALE

 

meio-dia o sol apaga as arestas

a brisa perpetrou o mormaço

estalo de folha seca palha de milho pássaro

o tempo dorme com suas estátuas

a sombra encontra-se inteira com seu corpo

todas as coisas intactas

na hora morta do dia as formigas

sobre a sintaxe da terra inculta elaboram

sua tácita filosofia

 

De A Terra Inculta, 1994

 

 

SISCAR, Marcos.  Não se diz. Poemas.   Rio de Janeiro: Inimigo Rumor, 1999.   90 p.  14x21 cm.  “ Marcos Siscar “ Ex. bibl. Antonio Miranda

  

DOR

 

não se diz rasgar rasgar um tecido como só as mãos

festa vital do barbarismo rasgar a tela de linho longamente encerada

abrir um sulco uma esteira um traço olhar por dentro dele

(você se demora na janela o vinco do seu decote

o hábito de dilacerar as folhas do caderno)

não se diz reter o vislumbre da carne pela camisa mutilada

pele retraída ao toque cerimônia do intelecto que se avalia

guardar a coisa pelo avesso posse da coisa ida

(o ato sem causa de uma chave colocada no contato)

 

De Não se Diz (1999)

 

 

TREZENTOS ANOS VOLTAIRE NASCIA

 

verter o café num dia sem cor o cálculo

do açúcar a colher inútil a voltear

mas olhando de dentro da espiral de fumaça

mil poetas absortos não obstante mortos

talvez se digam que quebrar esta xícara

bastaria para mudar a vida changer la vie

decidi ser feliz faz bem para a saúde

diz um deles livre uni-me ao aniversário

de sua ausência flor do ébano glauca

 

De Não se Diz (1999)

 

 

JARDIM À FRANCESA

 

eu com minha idade sentado num banco de praça

meu coração era do tamanho do mundo

feito do seu elemento de água rumor e ornamento

duas alamedas duas fontes se escorrendo

meu coração era do tamanho deste mundo

ora assim igual a si mesmo ora se

desconhecendo

mas meu coração é menos perfeito do que esta praça

às vezes se lembra e dificilmente

da hora exata do retorno do tempo

meu coração às vezes tropeça projeta uma perna

sobre a outra

se interrompe mudo parece

que pensa

 

De Não se Diz (1999)

 

 

PSICANÁLISE CASEIRA

 

há coisas de sobra que não se dizem

há coisas que sobram no que se diz

nossa miséria é uma alegria de palavras?

 

De Tome seu Café e Saia (2001)

 

 

SABIA?

 

mozart morreu de triquinose e não sabia

(quem saberá de que matéria o fim

é feito?) pessoa era esquizofrênico

e não sabia qual era a sua alegria?

cabral não se sabia? daquele tipo

a quem não interessa a biografia

mas de que resposta precisa um homem

que pergunta? não interprete agora marcos

nesta voz que lhe fala só o sabiá assobia

 

De Tome seu Café e Saia (2001)

 

 

DIABO TRISTE

 

o diabo tem um olhar triste em que moram

pesados devaneios irmãos de todas as coisas

meu irmão mãos malhadas de passar a ferro

uma eternidade de palavras pernas magras

cruz de sua sede irrefletida os ombros curvos

sobre o pulmão o gesto fogueira do desejo

luzes foscas no cabelo as veias secas

como fontes em que o amor não entra mais

por mais que suplique não se tira o amor

não entra ar não sai não se tira mais seus ais

e sobre o corpo prometido a cal e argila

se imobiliza enfim uma alegria intransitiva

deus é seu hospital

 

De Metade da Arte (2003)

 

 

ENQUANTO ISSO

 

enquanto o sarcófago de akhenaton passa no tomógrafo

você vomita o segredo do último rei monoteísta

e para curar-se do grande fora precisa cultivar o grande

dentro tratar o vício com o vício matar-se e ir ao cinema

mudar risco em perícia susto em consciência (eu aqui fora

trancado dentro do carro mãos sem dono passeiam pelo vidro

são medusas de nossa perplexidade

 

De Metade da Arte (2003)

 

 

SCHOPENHAUER DESCE AOS INFERNOS

 

e se a dor fosse apenas o fim da alegria

escondida um pouco aquém das (palavras

desconexas que você me estende como anúncio)

cores enfurecidas quase imemorável encontro

do doer com aquilo que dói reconhecimento

com liberação morte com prazer da renúncia

refinamento da tortura com a boa terapia         

(freud fustiga schopenhauer pendurado

nas mandíbulas do inferno enquanto sua mãe

mete o dedo do nariz) comi a flor do pêssego

você me diz amanhã teremos filho

 

De Metade da Arte (2003)

 

 

TIGELA DE ÁGATE

 

Você fechou a janela, desceu as escadas e disse em prosa que se sentia bem embaixo, no pátio aberto, perto da porta. Você desceu o lixo, olhou o pássaro, brincou de cabra-cega com as crianças do pátio. Então, pediu-me que servisse a sopa numa tigela de ágate. A morte com dor não vale a sopa numa tigela de ágate. O mundo reduzido ao essencial. Isso a faz morrer de rir. O essencial, você me diz, cabe numa tigela de ágate. O que quis dizer com isso? Que essencial não há, ou muito pouco, que no fundo não importa, ou que de fato está nesta tigela de ágate? Desde então, a dúvida me impede de dizer meu nome. Com a sola dos pés procuro o fundo da terra sob um brejo de taboas. Cada vez que me perguntam que fundo é esse, as entranhas me gelam, a discrepância me invade. Sinto o fundo e ele me abala. Toda uma sismologia. Viajo sem ter vontade. Em cada lugar por onde passo, quero de mim uma nova coragem. Certa vez, você me acenou de longe, ao pé da plataforma, com os olhos vermelhos. Você que nunca chorava. Quis exilar-me em você. E talvez eu fique aqui, nesse boteco de luz amarela, no meio da amazônia, até o fim dos tempos. Mal penso nisso, o galo ainda não cantou, você já se estendeu ao longo do meu corpo, se derramou sobre mim e eu a contive. Você cabe em mim tão completamente. Ouço a sua voz fraca, perdida no percurso da garganta. O poema deve ser escrito com sangue? Pois que o sangue seja vivo, vermelho pêssego, turquesa, esmeralda. Foi então que você perdeu a voz, olhou de lado, fechou-se muda. E sobre as pálpebras cerradas palpitam veias de um sangue veloz. Diga-me: quanto sangue será necessário para aplacar o seu silêncio?

 

De O Roubo do Silêncio (2006)

 

 

 

SISCAR, Marcos.  Cadê uma coisa. Ilustrações de Sofia Vaz. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.  78 p. Ilus.  capa dura   17,5X24, 5 cm.    ISBN  978-85-7577-999-5    Col. A.M. 


 

SISCAR, Marcos.  O Roubo do silêncio.  Rio de Janeiro: 7Letras, 2006. 66 p.  (Coleção Guizos,  16)  12x19 cm.   ISBN 85-7577-277-5   “ Marcos Siscar “  Ex. bibl, Antonio Miranda

 

NATUREZA MORTA

 

Tão composto, embora deitado e com as mãos espalmadas, o filho do imigrante ilegal. Dorme, ocioso e belo. Os cabelos penteados, como quem deveria ter ido à escola, mas deitou-se e dormiu. Talvez, saído do banho e já cansado do brinquedo, tivesse se estirado ao lado do pai, num dia muito quente. Talvez, descuidado, deixara-se -entorpecer. Talvez se imaginasse ao lado da piscina, de calção de banho amarelo, como quem estende o corpo sob a morna coberta de sol. Talvez as roupas e sapatos espalhados ao longo do corpo agora imóvel fossem memória de um alegre despir-se. Pudesse a inabitual tranquilidade tornar-se véspera de um despertar mais vivo. Um pintor espanhol o teria mostrado um momento antes, ao tirar os sapatos; ao fotógrafo restou a natureza morta.

 

 

SISCAR, Marcos.  Metade da arte (1991-2002).  Rio de Janeiro: 7 Letras; São Paulo:   Cosacnaif, 2003.  173 p.  (Col. Ás de Colete)  111,5x18,5 cm.    5   “ Marcos Siscar “  Ex. bibl, Antonio Miranda

 

 

Quem tem pouco

 

a quem tem pouco sobra diz a máxima

quem tem pouco acha muito no mínimo

tudo parece uma questão de escala

mas para ele é que é preciso graça

quem tem pouco tem que ser um tanto

artista tem que ser sábio do ínfimo

quem tem pouco quer não mais mas

outro quer tudo tudo o descortina

 

 

 

  

 

POEMAS EM ESPANHOL

 

Poemas extraídos de:

No se dice.

Buenos Aires: Edições Tsé=Tsé, 2003.

Trad. Anibal Cristobo

 

 

DOLOR

 

no se dice rasgar rasgar um tejido como solo las manos harían

fiesta vital del barbarismo rasgar la tela de lino largamente encerada

abrir un surco una estela un trazo mirar dentro de él

(te demorás en la ventana el pliegue de tu escote

el hábito de dilacerar las hojas del cuaderno)

no se dice retener el vislumbre de la carne por la camisa mutilada

piel retraída al toque ceremonia del intelecto que se evalúa

guardar la cosa al revés posesión de la cosa ida

(el acto sin causa de una llave puesta en contacto)

 

 

JARDÍN A LA FRANCESA

 

yo con mi edad sentado en un banco de plaza

mi corazón era del tamaño del mundo

hecho de su elemento de agua rumor y ornamento

dos alamedas dos fuentes escurriéndose

mi corazón era del tamaño de este mundo

ya así igual a sí mismo ya

desconociéndose

pero mi corazón no es tan perfecto como esta plaza

a veces recuerda y difícilmente

la hora exacta el retorno el tiempo

mi corazón a veces tropieza proyecta una pierna

sobre la otra

se interrumpe mudo parece

que piensa

 

 

SABÍAS?

 

mozart murió de triquinosis y no sabía

(quien sabrá de qué materia el fin

está hecho?) pessoa era esquizofrênico

y no sabia cuál era sua alegria?

Cabral no se sabía? de aquel tipo

al que no le interesa la biografía

pero qué respuesta necesita un hombre

que pregunta? no interpretes ahora marcos

en esta voz que te habla sólo el zorzal silba

 

 

TOMÁ TU CAFÉ Y SALÍ

 

a quién le interesa el fracaso

del otro por qué nos interesa

el fracaso o el dolor de vivir

es más fuerte que el abrazo

(por qué en la despedida el beso

sólo entonces impostergable por qué

las manos en los cabellos apenas

antes de la muerte los cuerpos se encuentran)

tal vez te interese

tal vez mueras de astucia

tomá tu café y salí

 

 

DIABLO TRISTE

 

el diablo tiene una mirada triste donde viven

pesados devaneos hermanos de todas las cosas

mi hermano manos manchadas de planchar

una eternidad de palabras piernas flacas

cruz de su sed irreflejada los hombros curvos

luces opacas en el pelo las venas secas

como fuentes donde el amor no entra más

aunque suplique no se saca el amor

no entra aire no sale no se sacan más sus ayes

y sobre el cuerpo prometido a cal y arcilla

se inmoviliza finalmente una alegría transitiva

dios es su hospital

 

 

MIENTRAS TANTO

 

mientras el sarcófago de akhenaton pasa por el tomógrafo

vos vomitás el secreto del último rey monoteísta

y para curarte del gran afuera precisás cultivar el gran

adentro tratar al vicio con vicio matarte e ir al cine

cambiar riesgo por pericia susto por conciencia (yo aquí fuera

encerrado dentro del coche manos sin dueño pasean por el vidrio

son medusas de nuestra perplejidad

 

 




Voltar para o topo Voltar para Brasil Voltar para  São Paulo

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar