Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

CLARA GÓES 

Psicanalista e professora de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Clara Góes nasceu no Rio Grande do Norte e escreve poesia desde 1986. Sua grande estréia no mundo da poesia, no entanto, aconteceu em 1989, quando lançou o livro As aranhas. Um ano mais tarde, em 1990, publicou os poemas reunidos em Cinema Catástrofe. A partir daí, não parou mais. Lançou Pedra do Morcego, em 1991, Poeira, em 1992, e Caravelas em 1995.

Ao longo desses mais de 20 anos, a poeta também se revelou como dramaturga e escreveu três textos para teatro. O último deles, Abelardo, Heloisa, lançado em 1995, deu origem a uma peça encenada por Moacyr Góes e protagonizada por Herson Capri e Letícia Spiller.

Seu livro mais recente, Pão e Chocolate, que será lançado no próximo Terças Poéticas, tem as orelhas assinadas por Heloisa Buarque de Hollanda, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que comenta que “a leitura dos poemas de Clara de Góes, curiosamente, sempre me provocou não apenas prazer, mas, sobretudo, um conforto muito grande. Uma sensação de proximidade, ou mesmo intimidade, com sua experiência, sua história, suas entrelinhas”. Para ela, essa proximidade está relacionada ao universo poético onde Clara se move. “São tramas e temporalidades históricas complexas. Um espaço no qual me sinto inexplicavelmente inserida”, completa.
Fonte da biografia: www.cultura.mg.gov.br/


TEXTO EM PORTUGUÊS
  / TEXTO EN  ESPAÑOL / TEXT IN ENGLISH


ORATÓRIO

Não
não tem traço reto aqui

no fundo
curvas
cravam
auroras em cantos
improváveis.

Um macaco joga
dardos no
Sagrado Coração

e a lua num cristal claro
embalsama
a solidão.

ORATORIO

    Traducción de Jesús Sepúlveda


No
aquí no tengo trazos directos

profundo
curvas
hundo
auroras en cantos
improbables

Un macaco tira
dardo al
Sagrado Corazón

y la luna
cristalina clara
se embalsama
la soledad.

 

ORATORY

                   Translation by Steven White


No
there ara no straight lines here

deep down
curves
plunge
dawns into unlikely
songs

a monkey throws
darts at the
Sacred Heart

and the clear
crystal moon
embalms
solitude.


Fuente: HELICÓPTERO. V. 3 – 4. 2000

Página publicada em novembro de 2008  




 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar