Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




 

ANA RAMIRO

Poeta paulistana nascida em 1972. Advogada formada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e designer. Na década de 90, integrou o grupo Esquina da Poesia e criou a revista virtual Letra Viva, dedicada à poesia e literatura. Em 1999, publicou Menina-Poesia, com prefácio de Leila Míccolis, pela Editora Blocos, do Rio de Janeiro. Participou de antologias e tem artigos, poesias e traduções publicadas em revistas como Zunái, Critério e Jornal de Poesia. Atualmente, reside em Brasília e aguarda o lançamento de seu próximo livro, intitulado Desejos de Gaia. Mantém o blog Folhas de Girapemba (http://girapemba.blogspot.com/).

 

 

"Em sua poesia, Ana Maria Ramiro ostenta a crença na abrangência das palavras, tantas vezes proféticas e talvez por isto mesmo, tantas vezes rejeitadas, pois as verdades capazes de melhorar o mundo, incomodam. Daí, como bem sintetiza a autora, cônscio da incompreensão que o cerca e o cerceia, (...) " o poeta fica só, versi...ficando.". (Leila Míccolis)

"Trata-se de uma poesia plena de vitalidade, obtida com a mais legítima tradição das últimas experiências da poesia brasileira. (...) São construções ágeis, de fina ironia e sensibilidade. É uma poesia de pura voz feminina, que nos convida para o prazer da palavra". (Salomão Sousa)

 

 

1. SIMETRIA


Leve folha toca o solo

Intento homólogo. Do céu,
icto raio ilumina o branco,
estrai uma labareda, risca
uma chama incontroversa

Forjar o signo
isteiro no cálice

Leve folha toca o solo
e o dizer destilado escorre
do relicário

Língua,
frágil elo

entre nave e pássaro.

 

 

SIMETRIA

 

Liviana hoja toca el suelo

Intento homólogo. Del cielo,
Ráfaga súbita centella el blanco,
extrae una chispa, raya
una incontrovertida llama

Forjar el signo
agujero en el cálice

Liviana hoja toca el suelo
y el decir destilado escurre
del relicario

Lengua,
frágil conexión

entre nave y pájaro.


 

 

2. TAUROMAQUIA

(a Michel Leiris)

 

No oco da boca

paira um segredo mal guardado,

embotado pela fêmea

que o habita.

 

Vórtice semi-cerrado de dentes e lábios,

magna fenda

de um universo a ser tragado,

deglutido

e novamente soerguido,

 

a boca regurgita.

 

Mas a quem caberá o jorro do abate?

Quem vai preparar a ceia do ocaso?

 

No oco da boca

crescem flores de fogo,

mas no fundo do olho

permanece a menina

 

alheia

e em chamas,

 

                   uma menina que grita.

 

 

TAUROMAQUIA

(a Michel Leiris)

 


En el hueco de la boca
flota un secreto mal guardado,
embotado por la hembra
que lo habita.

Vórtice semi-cerrado de dientes y labios,
magna fenda
de un universo a ser tragado,
deglutido
y nuevamente erigido,

la boca regurgita.

Pero a quien le tocará la efusión del sacrificio?
?
Quién preparará la cena del ocaso?

En el hueco de la boca
crecen flores de fuego,
pero en el fondo del ojo
permanece la niña

ajena
y en llamas,

                 una niña que grita.


 

 

3. OFÉLIA RELOADED

 

Senhora
dona de mim,
não reparta
o cristal escarlate

iguanas se formam
em meus bolsos,

lodo no copo,
flor esgarçada
no sexo

retira a jóia
torpe,
subverte
o vate

vela,
lâmpadas cáusticas
vertem fogos
fátuos,

descasca-lhe o frio
dorso,
incrusta um nome
às avessas

verbo,
seda luxuriante
que dilacera,


o corpo inerte,
mortalha silente,

olhar os próprios olhos,
enquanto tomba
a cabeça
e desaprender a dor
num instante,

essa voluptuária
serpente

de jaspe

 

 

OFÉLIA RELOADED

 

Señora
Dueña mia,
no repartas
el cristal escarlata

iguanas se forman
en mis bolsillos,

lodo en el vaso,
flor hecha pedazos
en el sexo

retires la joya
torpe,
subviertas
el vate

vela,
lámparas cáusticas
vierten fuegos
fatuos,

Le descascara el frío
dorso,
Le incrusta un nombre
a aviesas

verbo,
seda lujuriante
que dilacera,

el cuerpo inerte,
cubierta silente,

Mirar com sus proprios ojos,
mientras vuelca
la cabeza
y desaprender el dolor
en un instante,

esa voluptuosa
serpiente
de jaspe

 


Voltar para o topo da página Voltar para a página do Distrito Federal Voltar para a página de Iberoamerica

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar