Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


ANIBAL CRISTOBO

ANIBAL CRISTOBO

Nascido em 1971, em Lanús, província de Buenos Aires, autor de três livros (“Teste da Iguana”, “Jet-Lag” e “Krill”, todos publicados no Brasil), atualmente reunidos no volume “Miniaturas Kinéticas” (pela coleção “Ás de Colete’’, da 7 Letras/Cosac & Naify), Aníbal Cristobo faz de sua vida um eterno deslocamento por paisagens variadas. Mas, antes de tudo, antes de ser este viajante ou figurante de cinema, Aníbal é um poeta, e como poeta um construtor de imagens e cenários poéticos. Sua poesia também traz a marca de quem faz e desfaz seus roteiros, cria espaços e coloca personagens atravessando a cena, falando frases soltas, como uma “filha do capinzal”, ou “uma garota indiana do Denver”.

Traduziu para o português- alguns poetas importantes, como o peruano Antonio Cisneros (“Sete Pragas Depois”, pela coleção “Ás de Colete’’, em parceria com Carlito Azevedo), ou o chileno Gonzalo Rojas.

Leia mais sobre o autor em: http://pphp.uol.com.br/tropico/html/textos/2831,1.shle no blog: http://www.asescolhasafectivas.blogspot.com/; http://cristobo.livejournal.com/
 

TEXTOS EN ESPAÑOL     /     TEXTOS EM PORTUGUÊS 

De
Miniaturas kinéticas
(1997-2004)

São Paulo: Kosac Naify;
Rio de Janeiro: Viveiros de Castro Editora, 2005
Edição bilingue Português – Español

 

Single cacto II

 

 

Todo vuelve a crearse: idéntico

en el sigilo de las formas

 

y en su sentencia:

nada, — un cactus

con su mirada inédita, sus ansias

de llegar hasta aquí.

 

Y nuestra dispersión, diversión

invertida

alejándolo; llamándolo sin voz:

 

"poema"

 

y sin traición; aunque el

amor repita: "el cactus

 

es también un cuerpo

abandonado aquí. El poema

no podría salvarlo

de la disolución en el vacío... "-

 

 

Una ballena blanca (desembarque)

 

 Igual son tus objetos

conocidos, igual

es una ballena blanca, o sos

 

vos, sentado entre las rocas

igual son tus amigos - vos

pensds: el día

ha pasado, los colores, cualquier

cosa que has visto se vuelve irrepetible

 

si ahora

"no era exactamente eso "; y

 

siempre

 

lo que desea ser,

lo que anda en lo abierto, igual

permanece en el

cuerpo, vive fuera del cuerpo. –

 

============================================

 

TEXTOS EM PORTUGUÊS

 

Single cacto II

 

Tudo volta a se criar: idêntico

no sigilo das formas

 

e na sua sentença:

nada - um cacto

com seu olhar inédito, suas ânsias

de chegar até aqui.

 

E nossa dispersão, diversão

invertida

distanciando-o; chamando-o sem voz:

 

"poema"

 

e sem traição; mesmo que o

amor repita: "o cacto

 

é também um corpo

abandonado aqui. O poema

não poderia salvá-lo

da dissolução no vazio..."—

 

 

Uma baleía branca (desembarque)

 

 

Igual são seus objetos

conhecidos, igual

é urna baleia branca, é

 

você sentado entre as rochas

igual são seus amigos - você

pensa: o dia

 

foi embora, as cores, qualquer

coisa que viu torna-se irrepetível

 

se agora

"não era bem aquilo"; e

 

sempre

 

o que deseja ser,

o que anda no aberto, igual

permanece no

corpo; vive fora do corpo.—

 

 

Página publicada em junho de 2009

 

Topo da Página Voltar para a página Argentina Click aqui

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar