Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BANDEIRA TRIBUZI
(1927-1977)

 

José Tribuzi Pinheiro Gomes, nascido em São Luis do Maranhão. Viveu e estudou em Portugal  até 1946. Obras: Alguma existência (1947), Rosa da Esperança (1950), Safra (1960), Sonetos (1962), Pele & Osso (1970). Suas Poesias Completas saíram em1979, pela Livraria e Editora Cátedra/INL, com prefácio de Josué Montello. Foi um modernizador, um agitador cultural, influenciando toda uma geração de poetas ludovicences.

 

 

TRIBUZI, BandeiraPoesias completas.  Prefácio de Josué Montello.  Rio de Janeiro: Livraria Editora Cátedra; Brasília, DF: Instituto Nacional do Livro –INL, 1979.  285 p.  14x21 cm.  ” Bandeira Tribuzi “ Ex. bibl. Antonio Miranda.

 

ITINERÁRIO DO CORPO

A Afonso Felix de Sousa

 

I

O pequeno lugar predestinado:

cama – lençóis, colchão e travesseiro:

objetos banais pousados sobre

a armação de madeira para dois.

 

Pequeno apartamento de cidade!

Pequenos corpos e cansados despem-se,

despem roupas, sapatos, conveniências

à pequenina luz que afaga as coisas.

 

Estão nus, lado a lado, sobre o leito

e se entrelaçam para desafogo

de raivas, lutas, ilusões, sentidos.

 

Talvez não saibam por que assim se prendem,

Já cantam sino pelo novo filho!

 

II

Entre o campo de neve a vida fende-se

barbaramente, para dar passagem

à colheita que vem sem estações:

bicho da terra que se chama homem.

 

Nove meses guardado e construído

com silêncio, carne, sangue e esperança,

ei-lo que rasga o ovo e se apresenta

disforme, placentário, precioso.

 

Ela está como o campo após a ceifa.

De seus peitos já mana o claro líquido

onde a vida se côa como um filtro.

 

Olha o pequeno corpo que se deita

a seu lado, entre o sonho e a realidade,

e, brandamente, diz apenas: - Filho!

 

III

Infância triste, tempo de castigos

e doces ilusões mas sem brinquedo

que teus olhos encontram nas vitrines

e tua débil mão jamais alcança.

 

Porém o corpo vai rompendo elástico

pesar do tempo amargo em que floriste.

Teus olhos já se pousam sobre a vida

embora ignorando-lhe a inocência.

 

Assim, surgindo vens dos alimentos,

cuidados e remédios e o alicerce

da sapiência que são letra e número.

 

Assim te formas resumido corpo

que será de homem e continuará

brincando em nova trágica maneira.

 

IV

Resides entre o sonho e coisas ásperas,

a confusão do trágico e a rosa,

a escola, o emprego, o livro clandestino,

a refeição modesta, o sono limitado.

 

Teu corpo é apenas máquina de sexo

e coração: toda a razão de ser

está na amada, amada inconsistente:

olhos, cabelos, seios, agressivos

 

somente, mas tu a colocas lá

bem no centro do mundo e lhe declamas

baladas, vossos corpos se aproximam.

 

Entre comícios, agressões, revoltas,

pressa, atenção, estudo, devaneio,

estás defronte ao mundo e interrogas.

 

V

A resposta és tu mesmo: corpo de homem,

o sentimento e pensamento de homem,

passo seguro de homem, ombros de homem,

boca, face, palavra e gestos de homem.

 

O que sabes do mundo! Gestos mágicos

te multiplicam ao calor dos corpos.

Uma coragem funda, o olhar sábio,

avanças com o tempo e o constróis.

 

A noite existe – não a das carícias,

de sono leve, corpos repousando –

noite pesando sobre cada coisa.

 

Avanças bloqueado pela Noite

(há muitos, muitos corpos avançando)

e teus passos vão dar na madrugada.

 

VI

És fogo que se apaga lentamente.

Folhas que vão tombando despem a árvore.

Árvore a quem a seiva foi faltando,

tua missão se acaba e envelheces.

 

Teus olhos já cansados de aprender

formas, gestos e a grande cor do mundo.

Tua boca já cansada de alimentos,

de beijos, de palavras, de protesto.

 

Outros vêm substituir tua coragem

com novos braços para a mesma luta,

e passos fortes para o mesmo fim.

 

Tua hora vem chegando necessária.

O corpo se dissipa. Tua passagem

não terá vermes para devorá-la.

 

 

CONCLUSÃO PARA CONSOLO

 

Bicho da terra estás apenas morto.

Já a terra de que és bicho te recobre

e uma pequena flor acena, leve,

um pequenino adeus sobre teu túmulo.

 

Tua mulher jamais esquecerá

tua sólida figura. Nem teus filhos

que em si a reproduzem e prosseguem

tua presença em gestos e palavras.

 

O tempo que rompeu teu rude corpo

como inverno passando sobre o campo,

não cortou a semente indispensável.

 

Ele mesmo será propício à nova

árvore forte que sustém o mundo

e reverdece o chão da vida mágica.

 

 

Lamentação do quase ex-príncipe


Menino sou do tempo que se acaba

e, consequentemente, sou aquele

para quem tudo que de novo venha

recorda o anterior que mais amava.

 

Sou filho do ruído das palavras

de que abusava para, sem sentido,

me ver de cores vivas revestido.

Não ter lugar real facilitava

 

o meu estar entre diversas forças,

neutro. Menos a idéia que o proveito

exerci. Filho do tempo e inculpável,

 

sempre exaltei gratuitas circunstâncias.

Não sei se me defendo, se me odeio,

se iludo o meu saber-me e odiar-me.

 


PAISAGEM

 

Eis aqui um cão

e defronte um homem:

ambos o pão

da fome comem.

Olha o cão a vida

triste das pedras

(coitado do cão

que não pasta ervas)

e por fim já morde

o osso das trevas.

 

Olha a vida o homem

com saudade amarga.

Os olhos do homem

já não olham nada.

Só, em seus ouvidos

de carne fanada,

teimam os latidos

da morte e do nada.

 

Bandeira Tribuzi

De
Bandeira Tribuzi
SAFRA
poemas MCMLXI
São Luis: Departamento Estadual de Cultura, 1961
s.p.

 

(...)

Viaja a roda do tempo na cadeia
ininterrupta, de milhões de dentes.
Ondeia o verde trigo e o pão ondeia
e ondeia o segredo das sementes.
A pouco e pouco na ampulheta descem
finos, inesgotáveis  grãos d e areia.
Quando a mão colhe o trigo que semeia
já um novo trigal novas mãos tecem.
E a onda vem e volta e vai voltando,
viva maré da vida flutuando —
asa de pássaro entre a morte e o ovo.
Ter sido já vai sendo o que será.
A cada morte um ventre se inchará
e o sangue que morreu nasce de novo.

(...)

Por ela quebro a rota do silêncio
e canto este meu canto duro e amargo:
rapsódio rude de sombrio tempo,
sonora lástima do corpo sob o látego.
Pela manhã que vem nas águas puras
do rio cujas lágrimas são ondas
e por ti, natureza, pelo som das
sinfonias da semente em fúria.
Contempla, companheiro, esta macia
e viva cor da vida nestes dias
quando se rompe o ventre dos trabalhos
na maré viva de pomo, vinho e pão
e o vento, pelas árvores, violão
longo e lento, se perde em seus atalhos.

Os dias acontecem sobre a carne
do tempo objetivo e singular.
Ao poeta, além da vida que lhe cabe,
cabe também o ofício de cantar.
E é tão maduro o tempo e incisivas
são de tal modo as circunstâncias de
que se vê rodeado o poeta que
cantando, canta apenas coisas vivas.
Para que sonha se o luar adulto
já é um sonho positivo e claro:
objeto sem forma, apenas vulto
macio e real. Que sonho raro
será mais puro e belo e mais profundo
do que esta viva máquina do mundo?

(...)

 

 

 

VOLTAR À PÁGINA BRASIL SEMPRE Topo da Página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar