Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




 

Fotografia do casamento de

Aldenora Carvalho de Miranda

com Manuel Teixeira de Miranda.

 

MEU PAI

Poema de Antonio Miranda

Meu pai era bonito. E mulherengo.
Igual a tantos naquelas terras de homens
e de aventurança, de vidas empobrecidas,
de marasmo e suor nas virilhas,
onde apenas o cemitério segurava aquela gente
errante e retirante.

A rua acabava no rio
e ele, no bar, pelo caminho.

Vi, então, meu pai inteiro, desnudo,
tomando banho de caneco
e me apaixonei por ele
- eu tinha meus nove anos
e me reconheci no espelho avesso
de nossas diferenças.

Ele, tão libertino.
Eu, introvertido, escrevendo versos.

Mas o cigarro abreviou-lhe a vida
e as finanças da família,
virou fumaça e lágrimas.

Levitando como nuvem estacionada,
lá está ele segurando uma balança,
lembrança dos tempos de garimpo.

Diante de deus, de joelhos
- noves fora nada. Derradeira sentença,
dizia minha mãe desventurada.

Mas eu agora tenho os cabelos brancos
e espessos que ele me legou
mas não aquele olhar possessivo,
aquele olhar sentencioso e definitivo
que me conquistou
como o anti-herói.


Brasília, 27.11.2005
 

 

 

MINHA MÃE

Poema de Antonio Miranda

Minha mãe morreu atribulada
relembrando o enxoval encardido
na gaveta entreaberta
- seus desejos contrariados.

As flores nem sempre vicejam e já sucumbem
desamparadas pela Providência.

Adiou todos os prazeres
para satisfazer as vontades alheias.

Seus joelhos penitentes
e seus dedos de novenas
rogavam pelos vivos, com extrema devoção.

Sobre o colchão de penas,
enxergando a família em desespero,
acreditando no nascimento de estrelas
e na eternidade dos cristais.

Estava segura do aperfeiçoamento contínuo dos espíritos.
Morte e vida seriam fases de uma mesma existência.

Mas dizia não haver descanso algum depois da morte.



Brasília, 29 nov. 2005
 

 

BARRETO, Fernando. Pinturas de Fernando Barreto.  Brasília, DF: L.G.E. Editora, 2009.   108 p. ilus. col. ISBN 978-85-7738-393-6 Edição com apoio do FAC-DF. Inclui poemas de  Ângelo K’Ávila, Roberto Bianchi, Antonio Miranda e Sylvia Serra Barreto.

 

 

MEU PAI

 

            “O poema é um registro da memória do poeta que transcreve livremente suas reminiscências e essa liberdade harmoniza-se com os versos livres. As linhas poéticas reportam-se à infância do artista que reconstrói a imagem física e comportamental do pai. Enquanto comentários são expostos sobre o outro ausente, paralelamente o eu recorda de si ao opor antiteticamente a extroversão do pai, através da libertinagem dele, e a introversão do filho, retido em seus versos. Nesse momento, a metalinguagem se materializa em união com a memória, expondo o perfil do eu e do outro.”

 

In: DIAS JUNIOR, Valter Gomes. A poesia de Antonio Miranda e suas intersemioses. João Pessoa, PB: Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Pós-graduação em Letras, 2014.  268 p. Tese de doutorado defendida com Louvor.

 

 



Voltar para o topo da página Voltar para a página de poesia Ilustrada

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar