Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VERA CASA NOVA

                                       

Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em Minas Gerais desde 1978.

Vera Casa Nova é professora da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária, Literatura Comparada e Literatura Brasileira.

 

Veja mais poemas de VERA CASA NOVA EM POESIA VISUAL.

 

Extraído de

 

        

SUPLEMENTO MG – Belo Horizonte, Novembro/Dezembro de 2017. Edição n. 1.375.  Secretaria de Estado da Cultura.

 

         POEMA 1

         Sobre o olhar ada menina imigrante,
         Teus olhas verdes dizem o desespero,
         A esperança de uma Terra sem guerra.
         Pobre menina!
         Nem pai nem mãe podem te dar alento.
         Fogem como tu dessa secura do tiro, da bomba
         Da intolerância por causa de deuses e do ouro.
         Roubam teus preciosos olhos e te calam.

 

         POEMA 2

         Resta o corpo do menino.
         O mar chora
         A partida de um barco que não retornará jamais.
         Teu corpo jaz sobre a areia de um mar que não te pariu
         Milhares... serão milhões de seres à procura de paz.
         Será que ela existe?  Perguntarão a seus deuses.
         Com as armas nas mãos do terror
         A vida à deriva
         A morte cada vez mais forte.
         Esse é um poema sem metáforas, sem alegorias
         É um poema diante da dor mundo.

 

         POEMA 3

         Éprecisoamarpedrasastroságua
         beijarcadafolhadamangueiraoucascctoespinhento
         Amarosanimaiseamúsicadeseucanto
         Aluosolquedeixamasnomovimentoeróticodanatureza
         Éprecisoolharavidadelicadamenteentrefulgoresealegrias
         Apoesiaéisso:vocêéamedidadetodasascoisas

 

         POEMA 4

         Ao menino morto, lembrando Pasolini

         SOL brilhante. Na areia
         O mar se despede.
         Menino morto
         Pedaço de jornal recortado, turco ou sírio?
         A cor da pele não tem mais brilho
         Notícia de lamento.
         Lembro-me de ti, hoje.

 

 


        

Página publicada em maio de 2018

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar