Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

GAUDÊNCIO DE CARVALHO

 

Nasceu em Oeiras, Estado do Piauí, Brasil, a 8 de agosto de 1909.
Professor e advogado. Funcionário público (Assessor de Administração junto ao Gabinete do Ministro da Saúde).
Colaborou em vários jornais (“O Estado”, “Correio do Ceará” e “O Povo”, todos do Ceará, e em publicações de outros estados da Federação).
Autor de “Revoada”.
Recentemente, competindo em Brasília com mais de trinta candidatos, conquistou o primeiro lugar em concurso literário, obtendo o título de “Príncipe dos Poetas de Brasília”.

 

 

OLIVEIRA, Joanyr de, org.  Poetas de Brasília.  Brasília: Editora Dom Bosco, 1962. 107 p    16 x 22cm. 

 

               VICISSITUDE

Ah, quantas vezes abro a cortina ensolarada,
para ter pena da vida!
para espiar o calor amortecendo as flores,
o calor secando a água do rio;
para ver a claridade entontear o passarinho
e o vento levar as folhas pelo espaço.

Ah, quantas vezes baixo a pobre cortina,
para ter pena da vida!
Há falta de luz no sol,
de azul no céu,
de calor na terra,
de círculo no horizonte.

Ah, quantas vezes abro e fecho a janela
para ter pena de mim mesmo!



PERFIL DA TARDE DE BRASÍLIA


A amplitude desapareceu no último reflexo branco da claridade
A mansidão surgiu no primeiro raio triste do entardecer.
O pássaro preto cantava porque entardecia!
Desmaio de luz na escavação dos ares!
Desmaio de luz na solidez dos cerros!

Eu fiquei parado ouvindo a emoção do pássaro,
ouvindo o murmúrio do córrego,
quando caíam nas águas as flores do ipê...

A luz vespertina pintou um retrato na parede leve do coração!

                A voz da ave livre foi modular no ramo torto da árvore
prisioneira.
Rumores do planalto no lusco-fusco da vida!

Tarde morena que descia do céu,
que subia dos cômoros descampados,
que rolava do córrego,
que vinha aparecendo e sumindo,
e parava e caminhava e voava!

Perfil da tarde morena,
do por de sol que ia começando
ou andava terminando no desenho da quietude...
Perfil da mansidão que encheu de sombra outra sombra...

A luz vespertina pintou um retrato na parede leve do coração!

 

 

 

        A CASA DO ESCONDERIJO

A levidão chegou sem dizer nada,
abraçou o outro homem que descia a rua
para ouvir a fala enferrujada dos gonzos da cancela.

        Abriu a porta e entrou.
As lages estavam marcadas pelos passos contínuos.
A casa tinha a mesma cobertura do escondedouro.
Os momentos cansados esperavam
assistindo o mover das sombras sobre as lages.

Ele olhou os vestígios que esgalhavam pelo chão duro,
olhou as mãos de seda que ramalhavam
e a leveza de outras mãos que tiravam da mistura do ar
coisas indefiníveis.

O pequeno jornaleiro de Dona Darci Vargas
gritou, lá de fora, uma notícia emocional.

        O gato preto do vizinho pulou o muro,
sem machucar a relva,
e veio roçar o pelo nas pernas da criança.

Os pés de veludos das horas entraram para debaixo das
sombras,
repetindo os passos.
A menina que guardou brinquedos dentro dos olhos,
correu para abraça-lo...

A fala enferrujada dos gonzos da cancela
rangeu novamente.

A casa, o pomar e a menina ficaram, mais uma vez,
esperando a visita de outro homem...



PASSEIO DE DOMINGO

O trem esbarrou de súbito.
Na frente eu via a rude imutabilidade.
Desci pela rampa,
e pisei a face impressionante das coisas que sangravam.

        As horas incontestáveis
iam correndo no meu sangue.
O domingo agora me levava,
caminhava comigo,
descobrindo a floração vermelha,
o riachão, a vazante, o ancoradouro;
atraindo o cheiro embrionário da terra;
que vinha molhar os meus nervos.

O domingo me foi desvendando
o pecado do dia santificado;
foi trazendo o chiado e a moderação
da herança da vertente,
o ranger do trato desbastando a gleba
a amanho que o arado fazia,
a dureza do chão,
o ruído da zenha,
os dedos da água cheios de bondande e desespero
rodando a roda.

O domingo foi mostrando
o cata-vento que rodeava, girava, circulava;
foi mostrando as grimpas volteando,
as palhetas da alma rolando no cata-vento!

 

 

*

 

VEJA e leia outros poetas de BRASÍLIA em nosso Portal:

 

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/distrito_federal/distrito_federal.html



Página publicada em junho de 2021.


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar