Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: https://www.google.com/search?q=edison+moreira

 

 

EDSON MOREIRA

 

 

Edson Moreira (1919-1991) foi um poeta, livreiro e editor de Minas Gerais. Nasceu na Fazenda do Tanque, em São Francisco do Glória, MG, e se fixou em Belo Horizonte na década de 1940, onde se formou em Letras. Fundador, com o irmão Pedro Paulo Moreira, da Livraria-Editora Itatiaia, uma das mais importantes de Minas e do Brasil nas décadas de 1950 a 1970, tendo se credenciado pela publicação de obras da mais completa "brasiliana" de autores nacionais e estrangeiros esgotadas há décadas. O poeta publicou em 1951 "Cais da eternidade", recebendo o prêmio de poesia da Prefeitura de BH. Em seguida, "O jogral e a rosa", "Poemas existenciais" e "Tempo de poesia". Eleito em 1966 para a Academia Mineira de Letras.

 

 

 

 

REVISTA DA ACADEMIA BRASILIENSE DE LETRAS.  Direção: Antonio Carlos Osorio. Brasília. No. 10 – Março 1991 -  No 09 848 Ex. bibl. Antonio Miranda

Obs. Aparece na revista como EDISON MOREIRA...

 

 

CAIS DA ETERNIDADE

 

        III SONETO

Nutres o tempo e a solidão, enquanto,
demandando a amplidão do teu império,
sobre o pó do silêncio arrasto o manto
pereginro das vias do mistério;

sombra substancial que sobre o canto
lhe transfunde a vivência de saltério,
fecundas mais e mais o meu espanto
sob as constelações de outro hemisfério.

Na dimensão espiritual das horas,
anjos fixos na paz multiplicada
clamam por mim no bojo das auroras.

Pois tenho sido, ao luar de cada idade,
concha marinha, peixe, lírio, espada,
corpo e sinal de temporalidade,

 

        VI SONETO

Enviado pelo Rei dessa cidade
que se debruça sobre o outro oceano,
sou no tempo a visão da eternidade,
contida num silêncio sobre-humano.

Talvez a inquietação que hoje me invade
dentro da solidão do cotidiano
seja a procura de uma realidade
oculta sob um símbolo profano.

Longe dessas planuras estreladas,
como detro das conchas exiladas
o longínquo rumor do mar aflito,

sinto no incoformismo de imigrante:
— o desencanto, a "sede de infinito
e a nostalgia do país distante.

 

 

 

 

 

Página publicada em agosto de 2020

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar