Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

DOM AQUINO CORRÊA

 

 

D. Aquino Correia (nome civil: Francisco A. C.), sacerdote, prelado, arcebispo de Cuiabá, poeta e orador sacro, nasceu em Cuiabá, MG, em 2 de abril de 1885, e faleceu em São Paulo, SP, em 22 de março de 1956. Eleito em 9 de dezembro de 1926 para a Cadeira n. 34, na sucessão de Lauro Müller, foi recebido em 30 de novembro de 1927, pelo acadêmico Ataulfo de Paiva.

 

Era filho do casal Antônio Tomás de Aquino e Maria de Aleluia Guadie-Ley Correia. Cedo revelou sua inteligência, amor aos estudos e vocação religiosa. Iniciou os estudos no Colégio São Sebastião e fez o curso no Seminário da Conceição. Depois passou a freqüentar o Liceu Salesiano de São Gonçalo, onde recebeu o grau de bacharel em humanidades. Em 1902 ingressou no Noviciado dos Padres Salesianos de D. Bosco em Cuiabá, ordenando-se sacerdote em 1903 e iniciando o curso de Filosofia. Em 1904 seguiu para Roma, onde matriculou-se, simultaneamente, na Universidade Gregoriana e na Academia São Tomás de Aquino, por onde haveria de doutorar-se em Teologia, em 1908. Em 17 de janeiro de 1909, já tendo recebido todas as Ordens Menores e Maiores, foi ordenado presbítero.

 

De volta ao Brasil, foi nomeado diretor do Liceu Salesiano de Cuiabá, cargo que desempenhou até 1914, quando foi designado, por SS. Pio X, para titular do Bispado de Prusíade e Auxiliar do Arcebispo da Diocese de Cuiabá, cargo em que foi investido em 1o de janeiro de 1915, aos 29 anos, sendo, então, o mais moço entre todos os bispos do mundo.

 

Em 1919, o papa Bento XV conferiu-lhe os títulos de Assistente do Sólio Pontifício e Conde Palatino. Em 1921, com o falecimento do Arcebispo Dom Carlos Luís de Amour, foi elevado ao Arcebispado de Cuiabá, recebendo o Pálio Arcepiscopal das mãos de Dom Duarte Leopoldo e Silva, arcebispo de São Paulo. Em 1917, indicado pelo governo de Venceslau Brás como elemento conciliador, fora eleito governador do seu Estado para o período de 1918-1922. Ali se manteve à altura de sua consciência democrática, de sua capacidade construtiva e de seu profundo sentimento patriótico. Amparou a cultura regional, tomando a iniciativa de fundar a Academia Mato-grossense de Letras onde, depois, como titular, seria aclamado por unanimidade Presidente de Honra. Criou também o Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, do qual foi eleito Presidente Perpétuo.

 

Autor de inúmeras e notáveis Cartas pastorais, de discursos, trabalhos históricos e poesias, D. Aquino Correia publicou Odes, o seu primeiro livro de versos, em 1917, seguido de Terra natal, onde reuniu poemas de exaltação a Mato Grosso e ao Brasil, cheios de suave lirismo e fascínio pelo seu torrão.

 

"Há, na poesia de D. Aquino disse o embaixador e acadêmico José Carlos de Macedo Soares um forte lirismo que combina bem com o seu poder descritivo, não só quando ele narra um episódio, como também quando invoca uma paisagem ou simplesmente uma viva emoção."

 

Mais tarde deu a público alguns trabalhos em prosa. O escritor escorreito está em todas essas páginas, tantas delas revelando o interesse de D. Aquino pelas coisas nacionais.

 

 

O seu domínio na tribuna pública era absoluto. Não só como orador sacro era admirado, senão também na tribuna das conferências, como o confirmou, em várias entidades culturais. Destacam-se a conferência magnífica sobre o "Centenário do Bispado de Cuiabá", proferida no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, onde foi recebido em 1926; a "Mensagem aos homens de letras", proferida na Academia Brasileira de Letras; "A verdade da Eucaristia", oração inaugural do V Congresso Eucarístico de Porto Alegre, em 28 de outubro de 1948.

 

Obras: Odes, poesia, 2 vols. (1917); Terra natal, poesia (1920); A flor d’aleluia, poesia (1926); Discursos, oratória (1927); O Brasil novo, discurso (1932); Castro Alves e os moços, discurso (1933); Oração aos soldados, discurso (1937); O Padre Antônio Vieira, discurso (s.d.); Nova et vetera, poesia (1947); cartas pastorais, ensaios e conferências publicadas na imprensa do país, não reunidas em livro. Escreveu ainda obras de geografia e história: A fronteira de Mato Grosso Goiás, memória sobre os limites entre os dois estados, e o Brasil em Genebra (1919).

 

Gentileza Academia Brasileira de Letras www.academia.org.br, transcrito em:

http://www.biblio.com.br/conteudo/biografias/domaquinocorreia.htm  

 

 

 

TEXTO EN ITALIANO

 

 

Poema extraído da obra CHUVA DE POESIAS, CORES E NOTAS NO BRASIL CENTRAL, 2 ed., de Sônia Ferreira. Goiânia:Editora da UCG; Editora Kelps, 2007, com a autorização da autora.

 

 

DEUS!

 

Quem fez, ó minha alma, estas verdes campinas,

Quem fez a bonina, quem fez estes céus?

Quem fez nestas vargens as lindas palmeiras,

Louçãs e altaneiras, quem foi, senão Deus?

 

Quem fez esses astros que brilham nos ares,

Quem fez dos luares os fúlgidos véus?

Quem fez essas aves gazis e canoras,

Quem fez as auroras, oh! quem, senão Deus?

 

Quem fez esse plácido olhar do inocente

Que fala, eloqüente, até mesmo aos incréus?

Quem fez o sorriso das mães carinhosas,

Melhor do que as rosas, quem foi, senão Deus?

 

Quem foi que te deu, com a fé e a esperança,

O amor, essa herança negada aos ateus?

Oh! quem contará outras dádivas santas,

Tão ricas e tantas, que houveste de Deus?

 

São mais, muito mais que as infindas estrelas,

Que orvalham, tão belas, o azul destes céus;

São mais do que as flores gentis desta terra,

Que, entanto, as encerra infinitas, meu Deus!

 

Quem, pois, ó minha alma, tem tantos direitos

Aos férvidos preitos dos cânticos teus?

A quem votarás dos teus santos amores

As místicas flores; a quem? só a Deus!

 

 

AS LAVRAS DO SUTIL

 

Antemanhã, quando no céu de leste,

Mal se esgarçava em luz a noite mansa,

Miguel Sutil de Sorocaba avança,

Rumo ao mistério do sertão agreste.

 

Estrada longa e atroz! Mas ele a investe,

Com redobrado heroísmo, e não se cansa.

Vão-lhe à frente dois índios, e a Esperança

Visões de ouro não há, que não lhe empreste.

 

E  ei-los que chegam a estes sítios belos,

Onde o outro excede todos os castelos,

Do sonho audaz do bandeirante. Lá,

 

Ao longe, em praias verdes e desertas,

Faiscava o rio...  Estavam descobertas

As minas imortais do Cuiabá.

 

 

CORUMBÁ

 

Qual outrora, ao mirífico arrepio

Da onda azul do mar Jonio, a deusa Venus,

Assim nasceste, sob os céus serenos,

À flor do lindo pantanal bravio.

 

Tão bela é tu, que o teu selvagem rio,

Ao morder estes céspedes amenos,

Dá longas voltas por que possa, ao menos,

Contemplar teu mimoso casario.

 

E uma vez ele viu (hórrido agouro!)

Ai! Viu-te, como Andrômeda no oceano,

Amarrada a este escolho negro e duro.

 

Mas tu, calçando-te os talares de ouro

De Mercúrio, largaste o vôo ufano,

Para este azul glorioso do futuro!

 

 

RIO ARAGUAIA

 

Rio que rolas majestosamente,

Sobre diamantes, na itaipava hirsuta!

Não mais te abala, na selvagem luta,

Do bravo Ubirajara o grito horrente!

 

Não mais, à flor da lânguida corrente,

Por onde o boto espalma a cauda bruta,

Não mais o silvo do vapor se escuta,

Ondeando, além, na praia alvinitente!

 

Não mais! Não mais! Silêncio... a tarde finda,

E as onda beijam os destroços vagos

De velhas naus, numa elegia infinda...

 

Mas do teu fado nos castelos magos,

A Glória dorme, com dorme ainda

A pérola na concha dos teus lagos!

 

 

         Terra Natal. 2ª. ed. 1922

 

“INDEPENDÊNCIA OU MORTE”

 

                       À “Brigada Branca” dos Colégios Salesianos

 

 

Foi sobre a tarde, quando o sol declina,

Hora divina das contemplações,

Hora do Gólgota, sublime hora,

Marcada outrora para as redenções.

 

Deus decretara redimir a terra,

Que o nome encerra da sagrada Cruz,

E a um jovem príncipe entregou a espada

Dessa cruzada de infinita luz.

 

O herói passava, em seu ginete airoso,

Ao sol radioso, que esmaltava os céus:

O ideal fremia-lhe na fronte inquieta,

Era a silhueta de um estranho deus!

 

Tinha a seus pés, por pedestal, o outeiro

Alvissareiro do Ipiranga em flor;

E a brisa e as árvores e a onda flava,

Tudo cantava de esperança e amor!

 

E quando ergueu aquele sabre de ouro,

E como estouro de vulcão fatal,

Rugiu nos céus: “Independência ou Morte”

Tinha no porte, um heroísmo ideal!

 

Responde ao grito, e, delirante, brada

A cavalgada, que nos fez nação;

E o luso tope, que algemava os braços,

Rola em pedaços no brasílio chão!

 

Entanto o grito: “Independência ou Morte!”

De sul a norte, num fulmíneo ecoar,

Livres bandeiras pelo azul desata,

Numa fragata lá transpõe o mar!

 

Desde o Itatiaia, que assoberba os ares,

Até Palmares, repercute a voz:

Ouvem-na os manes dos fatais guerreiros,

Dias, Negreiros e Poti feroz.

 

Sorri-lhe o espírito imortal de Anchieta,

Anjo e poeta, que o Senhor nos deu;

E, do além túmulo, como que suspira

A infausta lira do gentil Dirceu.

 

Brota de tudo, e se ouve um hino ardente,

Ardentemente, pelo azul cantar,

Um como hino de Natal que erra,

Do céu à terra, e da montanha ao mar!

 

E qual Andrômeda, sorrindo agora,

A voz canora do novel Perseu,

Tal surge a Pátria do Cruzeiro lindo,

Livre, sorrindo, para o azul do céu!

 

Sublime grito: “Independência ou Morte!”

Que o jugo forte do opressor destróis!

Da liberdade és o fatal dilema,

O eterno lema de um país de heróis!

 

Não és o grito da anarquia infame,

Que espuma e brame, contra Deus e o rei;

Tu és o cântico da liberdade,

Que não evade os muralhões da lei!

 

Tu és um raio dessa Cruz bendita,

Que além palpita, em nossos puros céus;

És o diadema de uma Pátria ingente,

Que, livre e crente, só se humilha a Deus!

 

                                               1917

 

 

 

           

 

CORRÊA, Dom Francisco de Aquino.  Obras. Vol. I : Poética Tomo II : Terra Natal.  Organização, preparo de texto e anotações de Corsíndio Monteiro da Silva.   Brasília: 1985.  185 p.  15x22,5 cm.  “Comemorativa do centenário de nascimento do autor”. Foto do autor no frontispício. “ Dom Francisco de Aquino Corrêa “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

VELHO ONCEIRO

 

Fora o rei dos onceiros, e Trabuco

Era o seu nome. Mas ninguém diria

Do seu passado, ao vê-lo assim caduco,

A dormir e rosnar, sem serventia.

 

Se dentre o cheiro de algum acre suco

Da mata, o faro da onça ele sentia,

Saía e acuava (pobre cão maluco!)

Ao pé de qualquer árvore bravia.

 

E o seu latido, na soidão do mato,

Tinha um quê de tão lúgubre e agoureiro,

Que parecia estremecer as flores.

 

Triste de quem confiou no mundo ingrato,

E depois chora, como o velho onceiro,

 

As mortas ilusões dos seus amores

 

TEXTO EN ITALIANO

 

Extraído de

 

 

MIRAGLIA, TolentinoPiccola Antologia poetica brasiliana.  Versioni.  São Paulo: Livraria Nobel, 1955.  164 p.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

CAMPANA

Campana dei mio paese ! Campana
Dal bronzeo timbro e voce di velluto,
Che l'aria vibri, in nota grave o piana,
Campana delia Chiesa, io ti saluto !

 

Quando ai ricordi chiedo pace e aiuto,
Dell’epoca passata, ormai lontana,
La tua risonanza è un attributo
Della mia vita, che nel canto emana.

 

Ovunque vada, l'anima esiliata
Ti risuona, come voce convulsa
Del mar distante, in conca abbandonata.

 

E nella voce tua, dolce e piangente,

Voce d'oggi, di ieri, vive, pulsa

E canta il cuor delia mia propria gente !

 

 

 

Página republicada em fevereiro de 2008, ampliada e republicada em julho de 2014, ampliada em janeiro de 2015.

 


 

Voltar a página de Mato Grosso Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar