Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


NEWTON ROSSI

NEWTON ROSSI
(1926-2007)

 

 

Mineiro de Ouro Fino, Newton Egydio Rossi nasceu em 29/09/1926. Mas foi criado em Pouso Alegre, onde passou a juventude e fez os estudos primários e secundários. De lá, transferiu-se para Belo Horizonte, onde se formou em Jornalismo e iniciou-se no mundo das letras. Trabalhou em jornais, revistas e emissoras de rádio, como redator e locutor. No fim da década de 1940, participou do movimento literário mineiro ao lado de Celso Brant, com quem criou a Revista Acaiaca. Nessa época, conheceu Juscelino Kubitschek de Oliveira, de quem se tornou amigo e colaborador, e que mais tarde o traria para Brasília, cuja construção estava ainda no início.

Em Brasília, Newton Rossi fundou a Federação do Comércio do Distrito Federal (Fecomércio), a qual presidiu por 24 anos, de 1970 a 1994. Fundou também A Casa D´Itália, que presidiu por três mandatos. (Em 2006, reassumiu a presidência já em combate à doença que minara sua saúde, com a firme determinação de levar mais atividades literárias para aquele espaço onde funciona também o Teatro Goldoni.) Como empresário, administrador, político, professor, orador, poeta e jornalista, Newton Rossi exerceu variados cargos, tanto na área pública quanto na área privada.

Faleceu em Brasília na noite de 26 de agosto de 2007, deixando a viúva Dona Ninon, os filhos Wagner, Márcia e Gleno, e os netos Rafael, Felipe e Priscila.

 

Bibliografia: Trovas no Caminho, 1955; Alma da Rua, 1997; Trovas Escolhidas, 2003; e Sextilhas para Reflexão, 2004. Deixou um livro de sonetos inédito. Participou de diversas antologias poéticas, e é autor do famoso poema “Oração dos que não sabem rezar”, traduzido para 15 idiomas.

 

Resenha crítica:

“Hábil versejador e conhecedor notável da língua portuguesa, Newton Rossi tem praticado em seus vários livros os metros regulares com predomínio da redondilha maior, que manobra com maestria. É principalmente um excelente trovador, com algumas peças admiráveis inseridas recentemente em seu livro Trovas Escolhidas.” Antonio Carlos Osório

“Como poeta, pode-se dizer que se tratava de um grande conhecedor da arte de Camões e de Virgílio. Newton Rossi conhecia profundamente versificação e todos os apetrechos técnicos da metrificação. Era, antes de tudo, um esteta, que só pensava em versos medidos. E isso talvez tenha acarretado para a sua figura, nos meios ditos modernos, o estigma de uma postura de poeta romântico e passadiço. No mundo em que vivemos os poetas bem dotados de inteligência e de refinamento técnico dificilmente são perdoados.” João Carlos Taveira

 

 

“Newton Rossi, desde que o conheço, e o conheço desde quando passeávamos a nossa juventude na Rua da Bahia e na Avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte, tem professado também as suas crenças cívicas. Para ver o mundo com sua beleza, quer vê-lo também com sua justiça. Cidadão, crente em Deus e em suas criaturas, líder empresarial, jornalista, Newton é, na personalidade do homem que contempla o universo com o sonho da paz, um Poeta.” Mauro Santayana

 

 

ROSSI, NewtonAlma da rua.  Brasília, DF: Paralelo 15,1997.  196 p.  (Coleção Presença)  15,5x23 cm.  Capa, editoração eletrônica e diagramação : Estudio Entidade Visual sobre desenho de Zevallos. Ilustrações de Zevallos.  “ Newton Rossi “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Oração dos que não sabem rezar

Senhor!
Que estas palavras, que não dizem tudo,
Possam chegar um dia aos Teus ouvidos!
Chegar como quem chega sem bater à porta...
Sem roupa nova, sem nenhum requinte
E sem mesmo saber como chegou!...

Que o ódio seja extinto pela paz.
Que haja compreensão e tolerância,
Que os povos se entendam como irmãos!
Que no coração da criatura humana,
Pleno de equilíbrio e de harmonia,
Viceje a planta da fraternidade!...

Senhor!
Que estas palavras, que não dizem tudo
Possam transpor os mundos no infinito,
Levando o apelo mudo dos aflitos,
Os gemidos de dor dos desgraçados,
O remorso dos maus, e dos bons, o perdão...
E a ânsia oculta, da espécie humana,
De atingir, sem saber como, a perfeição!...

Escuta-as Senhor!
São palavras que não foram decoradas,
Não foram feitas apenas para os lábios...
Mensagem de pureza, que mais é um clamor,
Dos que não sabem dizer, dos que não podem falar,
Dos que só sabem sofrer, dos que só sabem sentir,
Dos que só sabem esperar...
Esta é a oração dos que não sabem rezar.

Onde está Deus?

Onde está Deus? Pergunta o cientista,
Ninguém O viu jamais. Quem Ele é?
Responde, às pressas, o materialista:
Deus é somente uma invenção da fé!

O pensador dirá, sensatamente;
Não vejo Deus, mas sinto que Ele existe!
A Natureza mostra claramente
Em que o poder do Criador consiste.

Mas o poeta dirá, com a segurança
De quem afirma porque tem certeza:
Eu vejo Deus no riso da criança,
No Céu , no Mar, na Luz da Natureza!

Contemplo Deus brilhando nas estrelas,
No olhar das mães fitando os filhos seus,
Nas noites de luar, claras e belas,
Que em tudo pulsa o coração de Deus!

Eu vejo Deus nas flores e nos prados,
Nos astros a rolar pelo infinito,
Escuto Deus na voz dos namorados
E sinto Deus nas lágrimas dos aflitos.

Percebo Deus na frase que perdoa,
Contemplo Deus na mão que acaricia,
Encontro Deus na criatura boa
E sinto Deus na paz e na alegria!

Eu vejo Deus no médico salvando,
Pressinto Deus na dor que nos irmana,
Descubro Deus no sábio procurando
Compreender a Natureza humana!

Eu vejo Deus no gesto de bondade,
Escuto Deus nos cânticos do crente .
Percebo Deus no sol, na liberdade
E vejo Deus na planta e na semente!

Eu vejo Deus, enfim, por toda parte.
Que tudo fala dos poderes Seus,
Descubro Deus nas expressões da arte,
No amor dos homens também sinto Deus!

Mas onde eu sinto Deus com mais beleza,
Na Sua mais sublime vibração,
Não é no coração da Natureza,
É dentro de meu próprio coração.

Zamenhof e o Esperanto

Você quer felicidade,
Quer afastar-se do mal?
Pratique a fraternidade
E a língua internacional.

Zamenhof, alma de luz,
Lá na Polônia sofrida,
Os seus trabalhos conduz
E traz o Esperanto à vida.

Inda bem adolescente,
Esse grande criador
Lançou à terra semente
De paz, de luz e de amor.

Bendito sejas, ó Mestre!
Pelo trabalho fecundo
E o bem que nos fizeste
Ao dar o Esperanto ao mundo!

 

ROSSI,Newton.  Trovas escolhidas. 2 a. ed.  Capra: Siron Franco.   São Paulo: Elevação, 2006.   206 p.  13x17 cm.   Prefácio de Arnaldo Niskier.  [Numa caixa de papelão com o livro  Sextilhas.]  “ Newton Rossi “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

          LXXXII

          As ilusões foram belas,
          Com desencantos, também,
          Somos linhas paralelas
          Que só se encontram no além.

 

          LXXXV

          Não sei se Judas traiu
          Pelo que diz a memória.
          Pois ele apenas cumpriu
          Um papel naquela história.

 

          CXXVI

          São de pessoas sem fibra
          Onde o vazio condensa,
          O coração que não vibra
          E a cabeça que não pensa.

 

          CLVII
         
          O malfeitor contumaz,
          Que a maldade sempre afaga,
          Se esquece que aqui se faz,
          Mas aqui também se paga.

 


         

ROSSI, Newton. Sextilhas para reflexão. 2ª. ed.  Brasília: Ave Branca – ATL Editora,  2004.   176 p.  174 p. Prefácio: Antonio Carlos Osório.  Contracapa: texto de Mauro Santayana.  [Numa caixa de papelão com o livro  Trovas Escolhidas.]  “ Newton Rossi “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

          XIX
 
          Há prenúncios gerados pelos desencontros,
          Uma explosão inevitável de confrontos,
          Num mundo injusto e de contendas desiguais,
          Onde o mais fraco é sempre perdedor na liça.
          Como é que pode haver a essência da justiça,
          Se muitos passam fome, e poucos têm demais?

 

          XCVII

 

          O mar, quando fica bravo,
          É, por certo, o desagravo
          Contra tanta poluição.
          As águas ficam revoltas,
          E as marés, bravias, soltas,
          Vão revidando a agressão.

 


Sextilha LX  

As estrelas também falam,

Pelo perfume que exalam,

Nas noites de solidão.

Olhando a Terra, demoram...

E, lá do céu, quando choram,

Derramam luzes no chão.

 

 

Página elaborada por nosso colaborador João Carlos Taveira e publicada em novembro de 2008. Ampliada e republicada em março de 2015.


Voltar para a  página do Distrito Federal Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar