Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


MARINA MARA

Nasceu em Taguatinga, DF, em 1979. É publicitária, jornalista e produtora literária.

O livro "Sarau Sanitário.com"é parte de um projeto de inclusão social e popularização da Poesia por banheiros públicos e pelo mundo virtual.  Tem versões em Braille e em outros idiomas, traduzidos por alunos da cidade de Celiândia, DF.
 

De
Marina Mara
 
Sarau Sanitário. com
Capa e ilustrações de Clarice Gonçalves. 
 Brasília: FAC, 2009. 93 p. ilus. col.
 

MARINA MARA

ARTE URBANA

As galerias das ruas
No museu cotidiano
Passam de gris a grafite
Num passe, num passo
Traçando trajetos
Com traços de tons
E compasso de sons
Que cantam a realidade
E pintam pela cidade
Um jeito diferente de ver
E de viver o que está aí
E quem vier ver, verá.


BURLE

(Ao músico, pintor, poeta e paisagista Roberto Burle Marx)

Burle o que não for arte
Marques com cores as veredas
As varandas, as telas e teclas
E quando chover no jardim
E o sol trouxer as sete cores
O mestre dará sete notas
Todas mudas, que plantadas
Florescem como poesia
Enraizada em projetos
De cheiro, a vida e simetria
Seja tela, terra ou tom
Sim, tudo são flores
Quando a  magia é dom
É o poder da alquimia
Que tira som de planta
Como maestro que encanta
Os pardais de orquestras naturais
Que leem nas linhas das folhas
Suas partituras musicais.


TARJA

o sol tatuava uma tarja dourada
em meus olhos quando pelo espelho
vi a estrada se afunilando
e de tão estreita foi engolindo
o caminho de volta ao seu colo,
a sua companhia e também a tarde
só não devorou meus olhos por piedade
pois quando a saudade incomodar
é para o mesmo espelho que vou olhar
não pra lembrar de sua estrada
mas de sua essência que colore
minha íris quando chovo
mesmo da outra ponta do arco.


O MCDONALD´S ME COMEU

hoje comi mcdonald´s.
pedi meu castigo pelo número
e mesmo sabendo ser efêmero,
fui fast e me food.
por favor, uma promoção:
um combinada de raiva
com molho de autoflagelação.
senhora: esse item está  em falta
mas se quiser, temos molho alienante
que acompanha suas idéias... fritas.
eram mordidas crocantes como isopor
croq! dando à consciência um sumiço
visual colorido, como você pode supor
ah... como não-amo-muito-tudo-isso.
foi como se pichasse meu próprio muro
que há décadas mantinha-se casto
mas foi um castigo aplicado com juro
e hoje, senti-me mais uma no pasto.
era como se cupuaçu, guaraná e guarani
fossem algo ilusório, não poderia estar ali
e viva o país contaraditório!
o mais belo, o mais livre
o que mais insiste em se diminuir.
e hoje, antes de dormir, pedirei perdão
à amazônia, a mim mesma e à nação
por, triste, achar que o bem morreu
mas, "amanhã vai ser outro dia"
melhor que esse, no qual
o mcdonald´s me comeu.


Página publicada em julho de 2010

Voltar à página do Distrito Federal Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar