Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




JOSÉ JERONYMO RIVERA

 

Colaborou, entre outros, nos periódicos Literatura, de Brasília, Revista de Poesia e Crítica, de São Paulo, SP, Revista da Academia Brasiliense de Letras, Brasília, e Boletim da Associação Nacional de Escritores, Brasília (diversos números).

Participou das antologias Alma Gentil (Ed. Códice, Brasília, 1994) e Caliandra (André Quicé, Brasília, 1995), e publicou os livros Poesia Francesa: Pequena  Antologia Bilíngüe (Thesaurus, Brasília, 1998; 2ª ed., 2005); Cidades Tentaculares, de Émile Verhaeren (Thesaurus, Brasília, 1999); Poetas do Século de Ouro Espanhol (tradução, em colaboração, Embaixada da Espanha no Brasil/Thesaurus, Brasília, 2000); Rimas, de Gustavo Adolfo Bécquer (tradução, Emb. da Espanha/Thesaurus, Brasília, 2001); Poetas Portugueses y Brasileños: del Simbolismo al Modernismo (tradução, em colaboração, Instituto Camões/Emb. de Portugal em Buenos Aires, 2002); Victor Hugo: Dois Séculos de Poesia (tradução, em colaboração, Thesaurus, Brasília, 2002); O Sátiro e Outros Poemas, de Victor Hugo  (tradução, em colaboração, Galo Branco,  Rio de Janeiro, 2002) e Gaspard de la Nuit, de Aloysius Bertrand (FAC, Secretaria de Cultura do DF/Thesaurus, 2003) e Antologia Pessoal de Rodolfo Alonso (tradução, em colaboração, Thesaurus, Brasília, 2003).  

Recebeu os prêmios Joaquim Norberto de Tradução – 2001, da União Brasileira de Escritores-RJ, por Poetas do Século de Ouro Espanhol, e Cecília Meireles de Tradução – 2002, também da UBE-RJ, por Rimas, de Gustavo Adolfo Bécquer.


CRIAÇÃO

 

A princípio era o caos. A noite tenebrosa

Cobria a imensidão sombria e silenciosa

Como um negro sudário, amortalhando o espaço,

Num amplexo fremente, em sepulcral abraço!...

— E Deus criou a luz! E logo o mundo inteiro

Banhou-se em resplendor, e um celeste chuveiro

Dos astros derramou-se, em profusão brilhante,

Por sobre a Terra nua, agreste e deslumbrante.

 

— E Deus criou a vida! E as árvores surgiram

Em bosques de verdura, e o deserto cobriram!

De peixes povoou-se o oceano azul e calmo.

— e toda a criação, entoando ardente salmo,

Glorificava o Ser onipotente e bom

Que a tudo concedera o doce e suave dom

De gozar a beleza e a liberdade e a paz

Deste Éden de delícia e de ventura tais!

 

Os pássaros no céu cantavam docemente

Festivos madrigais, num voejar fremente ...

As flores em botão, nos bosques, entreabriam

As pétalas sorrindo, e os colibris desciam

Do espaço pra beijar os cálices floridos ...

Das fontes a brotar, filetes coloridos,

Refletindo o luzir do Astro-Rei no Infinito,

Banhavam-se de prata, em misterioso rito ...

 

E tudo era alegria ... e, entanto, o Criador

Sentiu que embora belo e cheio de calor

O mundo era imperfeito: inda faltava alguém

Que viesse completá-Lo, e desfrutar também

A doce suavidade, a paz do Paraíso ...

— E o homem foi criado - e logo, num sorriso,

De fé e de esperança envolveu toda a Terra

E o mar, e o vale, e a mata, e a resplendente serra ...  

 

MÃE

 

Quando, em meio à tristeza desta vida,

Eu me vejo sozinho e abandonado,

Sentindo o coração pulsar, cansado,

— Mortas as ilusões, e a fé perdida;

 

Quando, ansioso, procuro no passado,

No Ideal que sonhei — visão sentida,

Um consolo à minha alma dolorida

— Um pouco de carinho ao desgraçado,

 

Vejo um vulto celeste e silencioso

Chegar-se a mim, beijar-me a fronte exangue,

Banhando-me de luz e suavidade ...

 

És tu, Ó mãe querida, o anjo bondoso

Que me secas as lágrimas de sangue

A brotarem da fonte da saudade ...

 

 

ESPECTROS

 

Nas asas virginais da Fantasia,

Entre nuvens de sonhos e desejos,

Ao som da magistral polifonia

De um festival de cores e de arpejos;

 

Vão passando, em fantástica harmonia,

Em meio a tempestades e lampejos,

As procissões do Amor e da Poesia

— Estranhos e patéticos cortejos

 

De ilusões, esperanças e quimeras,

Anseios de ternura incompreendida,

Farrapos de emoções da mocidade,

 

Lembranças de passadas primaveras,

Toda a existência humana resumida

Num cortejo de dor e de saudade ...

 

RIVERA, José Jeronimo.  Depois. Jaboatão, PE: Editora Guararapes Editoara EGM, 2015.  24 p. ilus, col.  Editor: Edson Guedes de Moraes.  20x12,3 cm.  Edição artesanal, limitada. Ex. bibl. Antonio Miranda. veja o e-book: https://issuu.com/antoniomiranda/docs/jos___jeronimo_rivera




 


Voltar à página do Distrito Fedral Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar